Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Geladeira judicial

Para CNJ, tribunal não pode punir juiz com afastamento "perpétuo" de 25 anos

Por 

Quando juízes e desembargadores são punidos com pena de disponibilidade, têm direito de retornar às atividades depois de dois anos, exceto se tribunais apontarem motivos novos e razoáveis para justificar a necessidade de manter a medida. Esse foi o entendimento do conselheiro Emmanoel Campelo, do Conselho Nacional de Justiça, ao determinar que o Tribunal de Justiça de São Paulo avalie a volta de um juiz afastado desde 1991.

Marcello Holland Neto está longe das funções há 25 anos, após ter sido acusado de ganhar um relógio e favorecer dois candidatos quando era juiz eleitoral em Guarulhos, o que ele nega. O conselheiro não entrou no mérito, para avaliar se houve ou não fraude, mas apontou o caráter temporário da pena de disponibilidade — que deixa magistrados afastados, com salário proporcional e proibição de praticar qualquer atividade, a não ser o magistério.

“Na hierarquia das penas previstas na Loman [Lei Orgânica da Magistratura Nacional], a disponibilidade se situa antes da aposentadoria compulsória justamente porque há uma gradação entre elas, sendo a disponibilidade aplicada a conduta punível menos grave”, afirmou Campelo. Assim, ele entende que a medida demonstra a intenção de permitir o reaproveitamento do julgador punido, diferentemente do caso analisado, em que o juiz ficou fora do cargo “durante quase toda sua vida profissional produtiva”.

O conselheiro também não manda o TJ-SP reincluir Holland Neto imediatamente. A corte fica obrigada a abrir procedimento administrativo para analisar o caso, ouvindo a parte e o Ministério Público. Só pode decidir em sentido contrário se fundamentar a medida.

Entendimento pacífico
A decisão monocrática segue enunciado recém-aprovado pelo CNJ, com base em precedentes do colegiado: “Após dois anos da aplicação da pena de disponibilidade, ocorrendo pedido de aproveitamento, o tribunal deverá apontar motivo plausível, de ordem moral ou profissional, diverso dos fatos que ensejaram a pena, capaz de justificar a permanência do magistrado em disponibilidade, mediamente procedimento administrativo próprio, oportunizando-se o contraditório”.

O advogado Daniel Calazans, que representa o juiz em nome da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais, diz que a prática de afastar por longos anos era recorrente no Judiciário paulista — outros quatro juízes já pediram apoio semelhante à entidade, mas nenhum com prazo superior a duas décadas, como Holland Neto. Na prática, afirma, a punição acaba sendo maior que a aposentadoria compulsória.

Calazans diz que o juiz sofreu depressão e enfrentou problemas familiares com a “geladeira”. “Se ele tivesse cometido homicídio, já teria cumprido a pena e seria réu primário”, compara o advogado. Holland havia tentado voltar em outras oportunidades, por processo administrativo no TJ-SP e Mandado de Segurança no Supremo Tribunal Federal. Só agora, porém, o direito foi reconhecido.

Para o relator atual no CNJ, “nada justifica impedir que o apenado possa dar continuidade às suas atividades laborativas, essenciais que são para a preservação da dignidade pessoal”, pois “não há como sustentar um discurso de democracia e respeito quando as penas podem ultrapassar o limite da razoabilidade”.

Campelo apontou que, quando o juiz voltar às atividades, certamente terá de passar por cursos de atualização e aperfeiçoamento, com “retorno gradativo à função jurisdicional”.

O presidente da Anamages, juiz Magid Nauef Láuar, afirma que a decisão é relevante porque reforma pena administrativa injusta — que, para ele, pode ser a maior já cumprida no país. “Nem mesmo na ditadura tivemos fato semelhante.”

Clique aqui para ler a decisão.
PCA 0002896-55.2014.2.00.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de julho de 2016, 9h30

Comentários de leitores

4 comentários

Punições seletivas!

mfontam (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Na época, esse caso foi muito divulgado, sobretudo pela CBN através do jornalista Heródoto Barbeiro que ressaltava que o magistrado em questão teria sido acusado junto com outro sobre questões de justiça eleitoral, mas que por questões políticas internas ao TJ de São Paulo apenas o magistrado ora peticionante teria sido punido colocando em dúvida se foi ou não punição seletiva, algo que o CNJ deve apurar para verificar se o magistrado aqui tido por "culpado" não acabou sendo "vítima" de políticas internas de tribunais. Seria relevante se o CNJ fizesse um pente fino nessas punições de magistrados, sobretudo de primeira instância, para evental apuração de injustiças e punição de eventuais desembargadores que cometeram perseguições. Parabéns ao advogado Daniel Calazans e à Associação de Magistrados Estaduais, pois não é comum associações de juízes atuando na defesa de magistrados. Quem acaba defendendo os magistrados não têm sido associações de juízes, mas advogados, porém a Associação de Magistrados Estaduais age em defesa dos associados que pagam suas mensalidades. Parabéns à Associação dos Magistrados Estaduais e, sobretudo, ao advogado Daniel Calazans.

Retrato do óbvio

Professor Edson (Professor)

O judiciário desse país precisa refletir, estão brincando com o povo, isso é perigoso, hoje qualquer site, portal, blog e twitter todo mundo criticando o judiciário, coisa que não existe em país nenhum.

Brasil-zil-zil!!!

pj.branco (Advogado Autônomo - Civil)

Por não ter operado o Direito durante expressivo lapso temporal, duvido que conheça as alterações jurídicas ocorridas em 25 anos, fora o que já esqueceu. Ademais, "tá chorando" por quê? Esse cidadão (?) que "pare de olhar o próprio umbigo" e reflita, ressaltando que em circunstâncias normais qualquer outro trabalhador teria era perdido o emprego, isso sim!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.