Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Diário de Classe

Anime-se! Reprovação em concurso
não torna ninguém incapaz

Por 

As propagandas dos cursos de preparação de concursos (OAB, magistratura, Ministério Público, Defensoria etc.), além das demais carreiras jurídicas, promovem sempre a exaltação dos aprovados. Há holofotes, brilho, entrevistas e, por certo, muito esforço. O marketing sabidamente ilumina os que podem posar como os vencedores, desprezando os que não foram aprovados — a maior parte. Raramente, um concurso para magistratura no Brasil tem menos de cinco mil inscritos e, ao final, passam cerca de 2%. Serão esses os endeusados pela sapiência, competência e capacidade. Os perdedores são desprezados, tido como derrotados. E o sujeito se espelha, na sua luta por aprovação, justamente no vencedor. Talvez seja o caso de olharmos para os aparentemente perdedores.

Podemos dizer que, com a quantidade de material para ser estudado e as contingências de um concurso público, mostra-se impossível apontar os critérios para sucesso de um candidato. Além de estudar, porque não se trata de milagre, surgem fatores imponderáveis, na lógica do efeito borboleta, ou seja, pequenos detalhes que mudam uma vida. Não é porque o sujeito que foi aprovado estudou dez horas por dia usando a apostila tal que, necessariamente, o candidato-espelho obterá o mesmo êxito. Existem diferenças pessoais, de ordem cognitiva e subjetiva, exigindo preparação adequada e singular, até porque o fator sorte, muitas vezes, torna o certame imprevisível. O sujeito estuda praticamente todo o Código Civil e justamente a parte faltante cai na prova, ou o contrário: estudou somente a parte que foi objeto da prova.

No fundo, os fatores de sucesso são muito mais acasos do que metodologia, embora se venda justamente o contrário. Basta perceber que, se a mesma apostila foi fornecida a vários candidatos que, por sua vez, estudaram juntos dez horas por dia, tal fato não é condição necessária nem suficiente para a aprovação. Ficou apavorado? Não sabe o que fazer? Inexiste solução fácil.

Não se pode superestimar entusiasmadamente as probabilidades de sucesso baseadas em cases vencedores. Podemos aprender com eles, mas o fundamental é procurar a singularidade, os limites e possibilidades sinceras de cada um. Basta perceber as promessas de dietas que já fizemos. Mas a ilusão de que seguindo os passos obteremos o sucesso é o que move os cursinhos, que matriculam cada vez mais gente porque se tornam pais cognitivos dos poucos aprovados, eventualmente. Logo, estudar no cursinho A ou Z não nos torna, por isso, mais inteligentes.

As possibilidades cognitivas decorrem da formação do cérebro e podemos, com treino e boa alimentação, quem sabe exercícios físicos, melhorar a capacidade de memorização. Temos, para tanto, diversas explicações teóricas para a memória de curta e longa duração. Mas uma coisa é pressuposta: alguns nascem com uma capacidade melhor do que outros e, também, a infância e a adolescência influenciam de maneira significativa na nossa capacidade de compreensão, especialmente pelo investimento narcísico que os pais fizeram.

Enfim, cuidado com as milagrosas receitas de sucesso vendidas, pois, no fundo, diante da quantidade de matriculados nos cursinhos e o percentual de aprovados, podemos estar sendo enganados pela foto do pódio que apresenta somente os melhores colocados. Não passar na prova da OAB ou mesmo em concurso público faz parte do contexto e, nem por isso, você é incapaz. Estudo, sorte e dedicação ajudam. Mas se você possui o péssimo hábito de ir para a aula e não estudar antes e depois, acreditando que em 50 minutos tudo será fornecido, de fato, você é um perdedor, do seu tempo e do professor.

 é juiz em Santa Catarina, doutor em Direito pela UFPR e professor de Processo Penal na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e na Univali (Universidade do Vale do Itajaí).

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2015, 8h05

Comentários de leitores

4 comentários

Nobre professor

JOAOBATISTA0001 (Advogado Autônomo)

Como o DR. Octavio, o Senhor poderia fazer um percurso paradigmático-filosófico sobre concursos.

Bom, conhecimento há de sobra (escola Streck) e ouvintes nem se fale.

Não está na hora de alguém "mudar as regras do jogo"?

Acredito que um trabalho detalhado possa descodificar isso e forçar os concursos a mudarem. Como disse, não podemos depender só da memorização.

Sugestão de rótulo: "Como se produz um concurseiro".

Reprovação não torna ninguém incapaz

André D'Alessandro (Advogado Autônomo - Tributária)

Excelente!

Concordar a discordar

alumni (Administrador)

Creio que a última frase resume tudo. Realmente, os cursos preparatórios não fazem milagres, não há como ensinar em 20 ou 30 dias aquilo que não se aprendeu em 5 anos.
Fiz recentemente um curso on line, tendo em atenção que não sou graduado no Brasil, e só posso dizer que conseguem rever a matéria dos 5 anos, em poucas horas diárias, de forma quase que completa. Por isso, independente de se passar ou não num concurso, não podemos retirar o mérito dos professores que lecionam nesses cursos, eles realmente são bons, mas fazer milagres pertence a cada um de nós.
Apesar de que, e uma vez que se fez referência a OAB, no meu ver, precisávamos de examinadores mais bem preparados para cada nível de pessoas. Não se deve fazer perguntas a graduandos ou recém graduados, que nem advogado com 20 anos de carreira saberia responder de cabeça. Não há cursinho que consiga preparar um aluno para tal enormidade.
Por outro lado, o sistema jurídico brasileiro tem fugido muito do lógico, e, com isso, vários examinadores têm exigido conhecimento que foge do legal e passa para o jurisprudencial, pena que muitos juízes não ajam com a devida iuris prudentia.
O que fazer quando a OAB exige do aluno uma resposta conforme CDC, enquanto o resto do mundo prevê a mesma situação no CC, inclusive o Brasil.
É preciso que os examinadores parem de inventar, pois acabam por cair no ridículo.
Cumprimentos

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.