Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reforma política

Pulverização de partidos dificulta coalizão séria, diz ministro Admar Gonzaga

Apesar de ter sua essência mantida, a Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096/95, que completou 20 anos no sábado) ainda recebe muitas críticas e, atualmente, é um dos alvos da reforma política debatida no Congresso Nacional.

Para o ministro do Tribunal Superior Eleitoral Admar Gonzaga, a lei, que já sofreu várias alterações por meio de emendas, ainda conserva a sua essência: “O corpo da norma está consolidado, não tendo sido alterado substancialmente”. Ele explicou que a Lei dos Partidos Políticos pôs fim à tradição de edição de normas às vésperas de cada eleição, o que, segundo ele, trazia alguns casuísmos que não eram bem-vindos ao processo eleitoral.

Os desafios enfrentados pela lei desde a sua promulgação foram muitos. O combate à cultura da compra de votos, a ocorrência de abuso de poder político e econômico e a regulamentação da campanha eleitoral foram alguns dos tópicos que suscitaram o debate da sociedade e trouxeram alterações e acréscimos ao texto original. Atualmente, no contexto da reforma política que está sendo debatida no Congresso Nacional, as questões em discussão são outras, como as regras de criação de partidos e a questão da fidelidade partidária.

Pulverização de partidos
O ministro Admar Gonzaga concorda que a pulverização dos partidos políticos é um dos assuntos que atualmente têm chamado a atenção de juristas e parlamentares: “Essa pulverização dos partidos é algo que está trazendo problemas enormes para o país. Hoje em dia, põe-se a culpa neste ou naquele governante, mas na verdade é muito pouco provável que qualquer um deles consiga fazer uma coalizão séria, sem interferências deletérias ao sistema político, com essa pulverização de partidos. São muitos interesses a serem atendidos”. Ele acredita que a adoção de uma cláusula de desempenho provocaria uma reorganização do nosso sistema partidário, com a aglutinação dos ideais desses pequenos partidos em agremiações maiores e, por isso mesmo, mais representativas.

O formato horizontal das coligações partidárias que é adotado no Brasil também é alvo de críticas. Para Admar Gonzaga, ao aglutinar ideologias frequentemente conflitantes numa “sopa de letrinhas” que confunde o eleitor, não se alcança a representatividade que é buscada no processo eleitoral. Ele crê que esse é outro tópico que precisa ser revisto na reforma política.

Resgate da atividade política
Segundo o ministro, a diminuição do tempo das campanhas políticas no rádio e na televisão, que já foi aprovada na reforma política, terá um impacto negativo no debate político no país e no envolvimento da sociedade no processo eleitoral. Admar acredita que o debate político deve estar sempre nas praças, nos bares, nas casas e nas ruas, porque as pessoas têm que exercer a política em toda a sua plenitude. Ele vê a imagem da atividade política passando por um intenso processo de desgaste nos últimos anos: “Estamos vendo a proibição de se fazer campanha. Daqui a pouco a atividade política estará virando algo pejorativo. A criminalização da atividade política está aí, as pessoas com pouco apreço à classe política”.

Sanção presidencial
Além da diminuição do tempo de propaganda eleitoral, também já foram aprovadas na reforma política a limitação da interferência do poder econômico, a diminuição do prazo de registro de candidaturas e o estabelecimento de um teto para o financiamento privado das campanhas eleitorais, entre outras pautas. O projeto está pronto para seguir para a sanção presidencial, com implementação já no pleito de 2016.

Admar Gonzaga acredita que as alterações são, em sua maioria, positivas para o processo eleitoral no Brasil, mas acrescenta que ainda há a necessidade de uma reforma política mais profunda. “Algumas questões foram bem tratadas, e eu creio que serão positivas. Outras, como a cláusula de desempenho de partidos políticos e a horizontalidade das coligações, deveriam ter sido melhor enfrentadas e não passaram”, declarou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TSE.

Revista Consultor Jurídico, 24 de setembro de 2015, 19h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.