Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desacordo moral

"Não será unânime", diz Fux sobre votação da descriminalização do porte de drogas

Por 

A decisão do Supremo Tribunal Federal no processo que trata da descriminalização do porte de drogas para consumo próprio não será unânime, afirmou o ministro Luiz Fux, que integra a corte. A declaração foi feita a jornalistas na noite desta terça-feira (1º/9), no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Na ocasião, o ministro lançou o livro Novo Código de Processo Civil Temático.

O ministro do Supremo Luiz Fux e o desembargador Luiz Fernando Ribeiro
de Carvalho, presidente do TJ-RJ
Luís Henrique Vicente/TJ-RJ

A expectativa é que o julgamento do processo, interrompido por um pedido de vista do ministro Edson Fachin, seja retomado nesta quarta-feira (2/9). A questão é tratada em uma ação que questiona a constitucionalidade do artigo 28 da Lei 11.343/2006 — a chamada nova lei de drogas. Pelo dispositivo, é crime a posse de entorpecentes, mesmo que para consumo pessoal, e a pena para o porte ilegal envolve o tratamento de saúde obrigatório, advertência verbal e prestação de serviços à comunidade.

A ação começou a ser julgada pelo Supremo no último dia 20 de agosto. O único a votar até o momento foi o relator do caso, ministro Gilmar Mendes. Ele se posicionou pela inconstitucionalidade do artigo por entender que "fere o direito ao livre desenvolvimento da personalidade, em suas diversas manifestações".

Questionado sobre o julgamento, Fux disse que não poderia adiantar o ponto de vista dele, mas afirmou que o Supremo, dificilmente, irá proferir uma decisão unânime sobre o tema. "Como há na sociedade um desacordo moral sobre a descriminalização, isso acabará se retratando no Plenário. Cada integrante [do STF] tem sua percepção e seus valores. Não acredito em uma votação unanime em nenhum sentido", afirmou.

Para o ministro, a sociedade está muito dividida sobre a descriminalização. "Em alguns países, se a sociedade não está madura para receber uma decisão sobre um tema deste, o tribunal tem o direito de não julgar, mas no Brasil, por uma regra constitucional, uma vez provocado, o tribunal tem que dar sua palavra", destacou.

Novo CPC
Fux esteve no Rio para lançar, pela Editora Mackenzie, a obra Novo Código do Processo Civil Temático. O ministro presidiu a comissão de juristas instituída pelo Congresso para elaborar o anteprojeto de lei que reformou o CPC. A nova legislação foi promulgada em março e está prevista para entrar em vigor no mesmo mês do ano que vem.

O ministro destacou que o mérito do novo código está em prestigiar os precedentes judiciais e eliminar recursos que protelam a decisão definitiva do Judiciário. Na avaliação dele, a lei atenderá a promessa constitucional da duração razoável do processo.

Fux explicou que procurou detalhar no livro, por meio de um índice temático, os indicativos interpretativos de cada dispositivo do novo CPC. “A ideia do código temático é identificar, em cada artigo e parágrafo, o tema tratado, de sorte que os professores de Direito, estudantes, advogados e escritores que tiverem interesse no tema saibam onde encontrar a caracterização jurídica do novo CPC”, afirmou. 

 é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 1 de setembro de 2015, 20h22

Comentários de leitores

8 comentários

e-mail

Henrique Noya (Outros)

É possível entrar em contato com a responsável por esta matéria?

Manifestação de desilusão.

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O impeachment, pedido pelo eminente HELIO BICUDO é uma particular manifestação de desilusão e de indignação. Esta a melhor interpretação. Mais que isto, seria necessário. Afinal precisamos lavar o Brasil de tanto enporcalhamento feito pelo PT.
Entendo o pedido e a ninguém é dado o direito de criticar um homem com tamanha integridade moral.

Complicado

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Primeiro é importante destacar que o objeto de análise no processo é a compatibilidade da "criminalização" do porte de drogas com o art. 5º, X da CF (que trata do direito à intimidade).

Nesse sentido, o fato de um cidadão ter o direito à intimidade não lhe autoriza a, se valendo desse direito, financiar grupos terroristas, como são PCC e etc...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.