Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Danos morais

Gilmar Mendes pede indenização de líder do MTST que o chamou de bravateiro

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, está processando Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), por ataques a sua honra e imagem. Ele pede na ação, protocolada na 18º Vara Cível de Brasília, indenização por danos morais no valor de R$ 100 mil.

Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, em novembro de 2014, Boulos chamou o ministro de “bravateiro de notória ousadia”. O líder dos trabalhadores sem teto analisava a entrevista concedida pelo ministro ao jornal em que ele dizia que o STF corria o risco de tornar-se uma "corte bolivariana" com a possibilidade de governos do PT terem nomeado 10 de seus 11 membros a partir de 2016.

A petição, assinada pelo advogado Rodrigo Mudrovitsch,  diz também que Boulos se distanciou “por completo dos preceitos éticos jornalísticos, principalmente no que diz respeito ao compromisso com a verdade dos fatos e informações”, ao dizer que Mendes era “afinado, como sempre, ao PSDB”.

“A suposta análise jornalística, redigida muitas vezes em irônico tom de denúncia, é composta por diversas frases que, além de desinformarem o leitor, são deliberadamente difamatórias e injuriosas, procurando, sem nenhum compromisso com a verdade, macular a função exercida pelo ministro Gilmar, como se esta fosse pautada por interesses particulares espúrios”, diz o documento. 

Clique aqui para ler a petição.

Revista Consultor Jurídico, 3 de outubro de 2015, 13h02

Comentários de leitores

2 comentários

Crioulo São

Antonio Carlos Kersting Roque (Professor Universitário - Administrativa)

De fato, nada de novo.
Ofensas, e não opiniões, são a marca desse povinho que se acha.

Me conte uma novidade

Criolo Doido (Outros)

Gilmar Mendes e seu fiel escudeiro Mudrovistch processando alguém por expressão de opinião (que o critica, obviamente)?

Nada de novo no front.

Comentários encerrados em 11/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.