Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Serviços essenciais

Município interventor não é responsável por passivo trabalhista de Santa Casa

Município que decretou intervenção em Santa Casa, com o objetivo de manter os serviços de saúde à população, não pode ser responsabilizado pela inadimplência trabalhista da instituição. O entendimento é da 8ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas-SP), que isentou o município de Itápolis de qualquer responsabilidade pelos passivos trabalhistas da Santa Casa.

Segundo o desembargador Luiz Roberto Nunes, relator, a intervenção do município para garantir a continuidade da execução de serviço público de saúde, de caráter essencial, não configura, para fins trabalhistas, sucessão de empregadores. "Ou seja, não resulta em mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa [artigos 10 e 448 da CLT], tampouco na responsabilidade solidária ou subsidiária [artigo 455] do interventor", explica.

Ao analisar a essência da intervenção, o relator concluiu que o ato administrativo não pode ser interpretado como alienação ou alteração das estrutura da empresa intervencionista. Isso porque o ato não surgiu como solução para o passivo da Santa Casa, mas sim como medida que se limitava a sanear irregularidades e assegurar a continuidade da prestação do serviço público essencial.

"A intervenção municipal não produz os efeitos de uma desapropriação ou de uma sucessão de empregadora, não alterando a personalidade jurídica daquela que sofre a intervenção, que permanece, inclusive, com a propriedade de seus bens, perdendo temporariamente apenas a administração. Cumpre salientar que o interventor age como mero administrador de bens, sem o objetivo de auferir lucro", complementou o relator. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-15.

Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 000019-26.2014.5.15.0049

Revista Consultor Jurídico, 2 de outubro de 2015, 8h32

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.