Consultor Jurídico

Entrevistas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política de Ordem

OAB deve estar sempre em contato com a imprensa e com o povo, diz Silvio Venosa

Por 

Reprodução

O candidato à vice-presidência pela chapa de Anis Kfouri para a Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo, Sílvio Venosa é um nome conceituado no Direito Civil. Autor de diversos livros, o advogado e professor atuou como juiz durante 25 anos, sendo membro da Academia Paulista de Magistrados (Apamagis) e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Em relação às necessidades da advocacia, Venosa afirma ser necessário valorizar o advogado em sua profissão e por meio de “setores paralelos que zelem pela saúde, especialização e melhora de situação material do advogado”.

O candidato a vice da chapa Orgulho de Ser Advogado elenca como importantes no programa da seu grupo a colocação de mulheres em todos os setores da OAB, os cursos de especialização no interior do estado e a valorização permanente do advogado.

Sobre outro ponto que afeta diretamente a advocacia, a reeleição dos mandatários da OAB, o professor argumenta que a constituição de apenas um segundo mandato lhe “parece efetiva e eficiente, possibilitando mais tempo para atingir metas”.

Venosa é bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (1969), especializado em Direito do Consumidor na Comunidade Europeia, pela Universidade de Louvain-la-Neuve (1993), da Bélgica. Também é pós-graduado pela Universidade de São Paulo e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Leia a entrevista:

ConJur — Qual o papel do conselho seccional, da diretoria e da vice-presidência, em especial, na estrutura da OAB-SP?
Sílvio Venosa — Deve ser avaliado se há essa necessidade, conforme os acontecimentos. Em princípio não vejo necessidade.

ConJur — O que qualifica o candidato a presidente da sua chapa para dirigir a OAB-SP?
Sílvio Venosa —
Jovem, competente, idealista e probo.

ConJur — Quais são hoje, em sua opinião, as principais demandas da advocacia?
Sílvio
Venosa — A valorização do advogado e da advocacia deve ser preocupação permanente. Da mesma forma setores paralelos que zelem pela saúde, especialização e melhora de situação material do advogado.

ConJur — O que diferencia o seu grupo em relação aos demais?
Sílvio Venosa —
Advogados jovens, idealistas, que nunca participaram efetivamente da política da OAB, e vão dar um arejamento neste próximo mandato.

ConJur — As novas leis eleitorais da OAB ajudam a moralizar o pleito?
Sílvio Venosa —
Vamos aguardar os resultados e os trabalhos para podermos efetivamente avaliar se necessário serão novas alterações.

ConJur — O senhor é favorável ao segundo turno nas eleições para a seccional?
Sílvio Venosa —
Plenamente favorável, principalmente porque são várias as chapas concorrentes. Assim não se correrá o risco de a eleição ser vencida sem maioria considerável.

ConJur — O senhor é a favor ou contra a reeleição na OAB?
Sílvio Venosa —
A reeleição por uma única vez me parece efetiva e eficiente, possibilitando mais tempo para atingir metas.

ConJur — Qual a primeira medida que o senhor vai tomar quando assumir?
Sílvio Venosa —
A direção será sempre do presidente. Vou sugerir constante contato com órgãos de comunicação, imprensa escrita, falada e televisa, para colocar a OAB e o advogado permanentemente em contato com o povo e a classe dos advogados.

ConJur — Qual é a proposta mais importante, segundo sua análise, do plano de gestão de seu candidato?
Sílvio Venosa —
O programa como um todo é importante. Colocação de mulheres em todos os setores da OAB, cursos de especialização no interior, valorização permanente do advogado.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 17 de novembro de 2015, 19h00

Comentários de leitores

1 comentário

O melhor

Simon Zveiter (Advogado Autônomo - Civil)

Sem dúvida o melhor vice presidente de todas as chapas do brasil!!!

Comentários encerrados em 25/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.