Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Código das telecomunicações

Rádio Bandeirantes é obrigada a retransmitir Voz do Brasil no horário nobre

A rádio Bandeirantes terá que continuar transmitindo a Voz do Brasil das 19h às 20h, horário considerado nobre. Decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região havia permitido que a emissora transmitisse em horário alternativo, mas agora o Supremo Tribunal Federal deu provimento a recurso da União e restabeleceu o que está previsto na alínea "e" do artigo 38 da Lei 4.117/1962 (que instituiu o Código Brasileiro de Telecomunicações).

O dispositivo prevê que as emissoras de rádio são obrigadas a retransmitir, diariamente, das 19h às 20h, exceto aos sábados, domingos e feriados, o programa oficial de informações dos Poderes da República, ficando reservados 30 minutos para divulgação de noticiário preparado pelas duas Casas do Congresso Nacional.

Além da União, a emissora, insatisfeita, também recorreu da decisão de instância anterior por considerar que a retransmissão obrigatória do programa oficial em cadeia nacional de rádio é incompatível com a liberdade de informação, princípio consagrado na Constituição de 1988.

No STF, a União rebateu o argumento da emissora, lembrando que o exercício do direito das empresas de radiodifusão é disciplinado pelas cláusulas do contrato que lhe outorgou tal serviço. Com isso, se entre essas regras está a que obriga a retransmissão do programa oficial de rádio, e no horário legalmente pré-determinado, não há como se cogitar sua revogação pela Constituição Federal, sendo que a própria Constituição reserva esse serviço ao ente federativo concedente.

Em sua decisão, o ministro Fachin salienta que, ao julgar a medida cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade 561, o STF declarou a recepção da Lei 4.117/1962 pela Constituição de 1988. “A jurisprudência deste tribunal tem reiteradamente observado essa orientação, inclusive quanto à impossibilidade de transmissão em horário alternativo”, afirmou o ministro. O relator conheceu do agravo da Rádio e Televisão Bandeirantes Ltda., mas negou seguimento ao recurso da emissora, dando provimento ao recurso da União.

O artigo 557, parágrafo 1ª-A, do Código de Processo Civil, permite que o ministro relator dê provimento ao recurso se a decisão questionada estiver em manifesto confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do STF, como é o caso dos autos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ARE 911445

Revista Consultor Jurídico, 3 de dezembro de 2015, 17h39

Comentários de leitores

2 comentários

Os políticos amam...

Neli (Procurador do Município)

as leis ditatoriais. Um absurdo a existência desse programa.Lixo da ditadura getúlio vargas(minúsculo de propósito!).

D e m o c r a c i a !

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Conseguida após tantos anos de Ditadura Militar (assumida) permanecem ranços, ratificados pela (neo-ditadura) civil petista.
E vejam o recado do STF: As telecomunicações no Brasil são uma concessão do P. Público (leia-se: um favor) com "direito" de transmitir em horário nobre (quem não gosta de assistir propaganda do governo no poder?) a HORA DO ESPANTO, também conhecida como Hora da Mentira ou Hora do Brasil.
E, interessante, mas chamam a isso de DEMOCRACIA !

Este país um dia ainda vai seguir a sua inata e grande vocação, prelecionada desde os idos de 1990, por Lula e o assecla Fidel, nos ditames do Fórum de S.Paulo: Ser uma imensa VENEZUELA. Na verdade os participantes elegeram Cuba. Agora, diante da ruptura do embargo comercial norte americano, o espelho é a Venezuela.

Quem quer ter uma "palhinha" do que virá com a tentativa de varrer esse partido nefasto do poder, é só aguardar um pouco mais.

Infelizmente, quem viver verá.

Comentários encerrados em 11/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.