Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Meros clientes"

AGU se posiciona contra possibilidade de paciente do SUS pagar por atendimento

Para que, em sua visão, os pacientes do Sistema Único de Saúde não virem clientes, e a desigualdade no Brasil não seja aprofundada, a Advocacia-Geral da União se manifestou contrária à possibilidade de beneficiários do SUS obterem, mediante pagamento, acomodações melhores na rede pública de saúde e contratação de médicos de sua preferência. A atuação ocorre em ação prevista para ser julgada nesta quarta-feira (2/12) pelo Supremo Tribunal Federal.

O caso envolve recurso do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) contra decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que negou pedido para permitir o pagamento no SUS, prática conhecida como "diferença de classe". Para a AGU, o acórdão do tribunal deve ser mantido pelo STF, já que eventual liberação poderia representar a transformação de cidadãos em "meros clientes" do SUS.

Segundo a Advocacia-Geral, tal entendimento reforçaria o "sentimento de um país de privilégios de poucos em detrimento do sofrimento de muitos", em especial se for levado em consideração que mais de 70% da população brasileira não tem plano privado de saúde e utiliza exclusivamente os serviços do SUS. Em manifestação encaminhada aos ministros do Supremo, a AGU argumenta que a desigualdade "não pode adentrar as portas do sistema público" que o país luta para construir "sem abrir mão de seus princípios inegociáveis".

Conquista constitucional
Os advogados públicos observam ainda que a universalização da saúde pública foi uma conquista da sociedade brasileira consagrada na Constituição Federal de 1988 e que o pedido do conselho vai na contramão dos anseios da população, que exige cada vez mais acesso a saúde gratuita de qualidade.

A repercussão geral do recurso foi reconhecida pelo STF, ou seja, o que o tribunal definir deverá valer para todos os casos semelhantes sob análise da Justiça do país. O relator da ação é o ministro Dias Toffoli. Atua no processo a Secretaria-Geral de Contencioso, órgão da AGU responsável por representar judicialmente a União no Supremo. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.

RE 581.488 – STF

Revista Consultor Jurídico, 1 de dezembro de 2015, 14h51

Comentários de leitores

2 comentários

S.U.S.

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

"Sistema Utilizável de Suicídio". Puta conquista Constitucional !

Desigualdade

JB (Outros)

Ô louco meu, vocês querem a volta do INAMPS, quem tinha a carteirinha era atendido e quem não tinha além de ser considerado indigente, era muito mal tratado quando tinha um tratamento e muitas das vezes era jogado à cova da morte.

Comentários encerrados em 09/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.