Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

ISO 9000

Processos do TJ-DF recebem certificação de qualidade

Uma auditoria externa no Tribunal de Justiça do Distrito Federal ampliou a certificação ISO 9001: 2008 obtida pelo TJ-DF em 2010 por conta de seu Sistema de Gestão da Qualidade. Foi reconhecida a conformidade com a norma dos escopos “Inclusão, análise e indexação de acórdãos para disponibilização de pesquisa jurisprudencial”, da Secretaria de Biblioteca e Jurisprudência, e “Correições e inspeções dos Ofícios Judiciais de 1º Grau e Turmas Recursais”, da Coordenação de Correição e Inspeção Judicial. A análise foi feita entre 13 e 14 de março pela SGS – ICS – System & Service Certification.

A primeira certificação ISO 9001:2008 para o Sistema de Gestão de Qualidade foi obtida em 2010, para duas rotinas da Secretaria Judiciária. Foi confirmada a conformidade em relação aos itens “Autuação e distribuição de Processos de 1ª instância em grau de recurso, nas Classes Apelação Cível e Apelação Criminal” e “Autuação e distribuição de petições de processamento originário, nas classes Mandado de Segurança e Habeas Corpus”. No ano seguinte, a certificação foi estendida para a Ouvidoria Geral, após a avaliação de “acolhimento, sistematização e tratamento das percepções dos usuários quanto aos serviços prestados pelo TJ-DF”.

Em 2012, houve nova manutenção e avaliação, com a certificação reconhecida em relação à virtualização e envio de autos de recursos constitucionais para o Superior Tribunal de Justiça, escopo da Subsecretaria de Recursos Constitucionais. Já em 2013, a rotina “mapeamento de competências” da Secretaria de Recursos Humanos foi integrada ao sistema. A gestão de qualidade do TJ-DF é conduzida pelo Núcleo de Gestão de Qualidade, que acompanha as auditorias externas, promove processos internos e orienta as secretarias do Tribunal em relação aos procedimentos necessários para manter a certificação. O processo é feito por profissionais independentes em relação aos servidores com responsabilidade pela área auditada e, em 2010, ocorreu na segunda semana de fevereiro. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-DF.

Revista Consultor Jurídico, 18 de março de 2014, 7h01

Comentários de leitores

1 comentário

Muito ainda que fazer ...

joaobastos.adv (Bacharel - Civil)

O TJDFT, realmente já não é o mesmo de outrora, vem gradativamente melhorando, principalmente no que tange ao segundo grau, já no que concerne ao primeiro grau, esta apenas engatinhando.
Em conversa recente, esta semana, com colegas, após tentarem um despacho com uma juíza substituta, na tentava de ajudar uma senhora enferma, a qual necessita de cirurgia o mais rápido possível, tive o dissabor de ouvir lamentosos desabafos dos citados colegas, em decorrência da juíza ter se negado a proferir um simples despacho, “intime-se para pagar, art. 475 J”.
E sabem por quê a juíza negou-se a atender ao pedido? Simplesmente porque a citada senhora não tem a tal prioridade prevista em lei.
A questão é: Existe prioridade maior do que a saúde? A qual, diga-se de passagem, é direito assegurado na carta magna.
Como podemos ver, o certificado cabe sim a alguns órgãos do TJDFT, os quais tem melhorado, e muito, mas, o que dizer de uma juíza que prefere seguir um rito, que muitas das vezes não tem a relevância imaginada, que compadecer com a dor e sofrimento alheio, e assegurar-lhe o direito constitucional à saúde?

Comentários encerrados em 26/03/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.