Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo mandato

Alckmin nomeia Márcio Elias Rosa para chefia do MP-SP

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) nomeou nesta segunda-feira (7/4) o procurador de Justiça Márcio Fernando Elias Rosa para comandar o Ministério Público paulista no biênio 2014/2016. Em eleição no dia 5, Elias Rosa recebeu 1.095 votos, ante 791 conquistados pelo procurador Luiz Antonio Guimarães Marrey, seu único concorrente. O novo procurador-geral de Justiça já estava no cargo desde 2012, mas se licenciou do cargo em março para a campanha de recondução.

O decreto de nomeação deve ser publicado na edição da próxima terça-feira no Diário Oficial do estado. Mesmo com a consulta a promotores e procuradores, a escolha é exclusiva do governador. Em 2012, Rosa havia sido escolhido após ter ficado em segundo lugar na votação — situação semelhante ocorreu com Marrey em 1996, na primeira vez que assumiu a PGJ.

Elias Rosa (foto) teve 58,06% dos votos válidos; 1.030 foram uninominais, o que corresponde a 94,06%. Outros 65 foram de pessoas que votaram em dois candidatos: Rosa e Marrey. O novo mandato terá início com posse solene no Órgão Especial, marcada para a próxima sexta-feira (11/4), às 15h, no auditório Queiroz Filho, na sedo do MP-SP.

Formado em Direito pela Instituição Toledo de Ensino de Bauru (SP), Elias Rosa é mestre e doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Ingressou no Ministério Público de São Paulo em 1986 e tornou-se procurador de Justiça em 2009. Foi diretor-geral do MP e subprocurador-geral de Justiça de Gestão. Professor universitário, é autor de livros jurídicos e de artigos publicados. Com informações da Assessoria de Imprensa do MP-SP.

Revista Consultor Jurídico, 7 de abril de 2014, 18h02

Comentários de leitores

1 comentário

Mero apêndice político

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Os longos anos de domínio do PSDB no Ministério Público tem sido uma tragédia ao povo paulista. Tarda a criação de mecanismo efetivos de democratização do MP, hoje uma casta com vida própria no contexto da República.

Comentários encerrados em 15/04/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.