Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Soberania popular

Liminar do STF garante permanência de prefeita no cargo

O ministro Ricardo Lewandowski, no exercício da Presidência do Supremo Tribunal Federal, deferiu liminar ajuizada pela prefeita eleita do município de Pombal (PB), Yasnaia Pollyana Werton Dutra, para mantê-la no cargo, “a fim de resguardar a expressão da soberania popular manifestada no pleito de 2012”.

Pollyana foi empossada no dia 1º de janeiro para um segundo mandato como prefeita, mas desde 22 de janeiro, por decisão da Justiça Eleitoral, o cargo vem sendo exercido interinamente pelo presidente da Câmara Municipal de Pombal.

Para a Justiça Eleitoral paraibana, sua eleição em 2008, após a morte de seu marido, então prefeito, pouco antes do fim do mandato, caracterizaria continuidade do mesmo núcleo familiar no poder, o que impediria sua reeleição. A questão, segundo a prefeita eleita — que se casou novamente e teve um filho durante seu primeiro mandato —, deverá ser trazida ao STF por meio de Recurso Extraordinário contra decisão do Tribunal Superior Eleitoral que manteve a impugnação da candidatura.

Segundo o ministro Lewandowski, a questão constitucional consiste em saber se a inelegibilidade (artigo 14, parágrafo 7º, da Constituição Federal) alcança ou não o cônjuge falecido durante o primeiro mandato e sucedido regularmente pelo vice-prefeito, e tendo em conta a construção de novo núcleo familiar.

“A regra do artigo 14, parágrafo 7º, estabelece a inelegibilidade do cônjuge de prefeito, mas traz consigo uma importante ressalva expressa: ‘salvo se titular de mandato eletivo e candidato à reeleição’”, ressaltou o ministro. “Desse modo, constato que a norma constitucional não parece vedar a possibilidade de candidatura da requerente, que se elegeu, pela primeira vez, em 2008, sem nenhuma inelegibilidade e, consequentemente, possui um aparente direito à reeleição”, afirmou.

O caso de Pollyana, para o ministro, é “ainda mais peculiar” devido à constituição de novo núcleo familiar. Para ele, a situação da prefeita não se enquadra na Súmula Vinculante 18 do STF. “O referido verbete cuidou da dissolução da sociedade conjugal por separação de fato, para fins de vedar ao cônjuge a possibilidade de burlar e fraudar o dispositivo constitucional da inelegibilidade, por meio de separações fictícias que garantissem um terceiro mandato inconstitucional”, observou. “Absolutamente distinta é a dissolução do vínculo conjugal por morte, e disso não tratou a Súmula Vinculante 18”.

AC 3.298

Revista Consultor Jurídico, 26 de janeiro de 2013, 15h21

Comentários de leitores

1 comentário

De acordo

Luiz Pereira Neto - OAB.RJ 37.843 (Advogado Autônomo - Empresarial)

Perfeita a Decisão . Desde ontem eu já havia feito comentário neste mesmo sentido . Inquestionáveis os fundamentos que alicerçam a Concessão de Liminar , antecipando indubitavelmente , a futura Decisão do Colegiado no mesmo sentido .

Comentários encerrados em 03/02/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.