Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pai Biológico x Socioafetivo

Caso H. Stern expõe conflito de jurisprudências

Por 

O processo que dois irmãos cariocas movem na Justiça pelo direito a parte da fortuna do fundador da rede de joalherias H. Stern colocou em evidência a disputa travada por duas correntes de interpretação pela hegemonia no direito familiar brasileiro: uma diz que em casos de sucessão, prevelece a paternidade socioafetiva. A outra, a biológica.

Depois de exame de DNA, Nelson, 54, e Milton Rezende Duarte, 52, descobriram ser filhos de Hans Stern, fundador da joalheria, morto em 2007. A pista surgiu de depoimento da mãe, que logo após a morte do fundador da H. Stern, disse a Milton ter certeza que o irmão dele era filho do empresário. O objetivo deles, agora, é obter na Justiça o reconhecimento da paternidade biológica, o que, segundo seu advogado Flavio Zveiter, garantiria o direito à herança.

Para os advogados do escritório Andrade & Fichtner, que representa a H. Stern, o pedido é injustificado. Dizem que o entendimento majoritário na Justiça brasileira é que a paternidade socioafetiva deve prevalecer sobre a biológica justamente para evitar demandas de cunho unicamente patrimonial.

Na avaliação dos advogados, o exame de DNA não pode autorizar a mudança no registro de nascimento, dada a relação de afeto entre o filho e o responsável por sua criação. “Apesar de o filho ter o direito de conhecer a sua verdade biológica, o mero exame de sangue não pode prevalecer sobre o vínculo afetivo, em desrespeito aos cuidados e amor recebidos de seu pai registral”, dizem os advogados.

Para respaldar esse entendimento, elencaram decisões em que a Justiça negou o direito à herança aos filhos criados por pais socioafetivos. Uma delas, tomada pela 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, diz que “a comprovação da filiação sócio-afetiva entre o investigante e seu pai registral afasta a possibilidade de alteração do assento de nascimento do apelante, bem como qualquer pretensão de cunho patrimonial”.

Zveiter, porém, contesta a jurisprudência apresentada pela H. Stern. Segundo o defensor dos irmãos, as situações são diferentes. Nos julgados apresentados pela rede de joalherias os filhos sabiam quem era o pai biológico e pleitearam a herança anos depois de terem ciência da paternidade biológica. Nesse caso, diz Zveiter, eles optaram por manter a filiação ao pai registral.

Já no caso da H. Stern, Zveiter diz que seus clientes cresceram sem saber quem era o verdadeiro pai biológico. “A tese [da H. Stern] não se aplica. Estão argumentando como se os dois irmãos soubessem que o Hans era o pai deles”, afirmou.

Ele citou jurisprudência do STJ para fundamentar sua tese. "A decadência não atinge o direito do filho que pleiteie a investigação da paternidade e a anulação do registro com base na falsidade deste", diz decisão do tribunal de 2010.

Especialistas consultados pela ConJur disseram que a questão é polêmica. Segundo a advogada Alessandra Rugai Bastos, ainda não há um entendimento consolidado em torno da questão. “De maneira geral, o vínculo socioafetivo tem que ser analisado. Há casos em que o patrimônio familiar vai ser compartilhado com pessoas que não participaram da evolução desse patrimônio. Entretanto, muitas vezes há crianças sem vínculo socioafetivo porque o pai não se propôs a fazer o reconhecimento”, ponderou.

Já para Regina Beatriz Tavares da Silva, doutora em direito civil e da família pela USP, os irmãos têm direito à herança. “O reconhecimento da paternidade é imprescritível e gera os mesmos direitos para todos os filhos, independente de serem gerados dentro ou fora do casamento”, afirmou.

Conforme explicou Regina, a legislação determina que 50% da herança deve ser dividia entre os herdeiros legítimos, o que, segundo ela, inclui todos os filhos do genitor. Os outros 50% são de uso livre pelo autor do testamento. Como Hans Stern teve quatro filhos de seu casamento mais os dois irmãos que pleiteiam o reconhecimento na Justiça, pode ocorrer que 50% da herança dele seja divida entre os seis filhos. Dessa forma, juntos, Nelson e Milton podem ficar com um sexto de toda a herança do fundador da H. Stern.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2012, 7h56

Comentários de leitores

5 comentários

Sem dúvidas, eles tem esse direito!

Jordan (Administrador)

Falando pelo aspecto legal (que numa questão jurídica é o que vale), sem dúvidas que esses irmãos tem sim direito à Herança, pois a Constituição do país, nossa Lei Maior, diz que filhos são filhos, sejam havidos do casamento ou não. No aspecto moral, se fosse o caso de haver discussão a respeito, sem dúvida também eles teriam esse direito, pois foram privados da verdade a vida inteira, e agora querem restabelecer essa verdade. A Justiça não pode ficar ao lado de uma mentira para que essa se mantenha para sempre, e sim do lado da verdade!

Paternidade e Responsabilidade

Hélio Marinho Fernandes Junior (Advogado Assalariado - Civil)

A paternidade sócio-afetiva é uma ampliação das formas de paternidade, não excluindo a paternidade biológica.
Se reconhecida a paternidade biológica, surge também o direito/dever patrimonial, até por uma questão pedagógica, posto que pensar diferente seria acobertar a iresponsabilidade paternal: gerar filhos e não assumir nenhuma responsabilidade por eles.
Portanto, não tenho dificuldades em aceitar que, no presente caso, em sendo reconhecida a paternidade biológica, seja reconhecido o direito patrimonial.

Com a palavra a Constituição

Mario Jr. (Advogado Autônomo)

Diz o artigo 227, §6º, da Constituição Federal:
"Art. 227.(...)§ 6º - Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação."
E fim de papo.
Mario.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.