Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Comparação de serviços

Operadoras devem medir velocidade da coneção à internet

Por  e 

A possível existência de uma diferença entre o que é contratado e o que é efetivamente oferecido está sempre em pauta quando o assunto é a velocidade da conexão à internet. Milhares de usuários, com o intuito de solucionar essa dúvida, se valem de medidores da velocidade de conexão que são oferecidos gratuitamente por alguns sites, mas não raro permanece uma insegurança quanto à credibilidade da informação obtida. Para solucionar esse problema, entrou em vigor nesta quarta-feira (29/2) a Resolução 574 da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A medida obriga empresas operadoras de banda larga fixa, com mais de 50 mil clientes à disponibilizarem, em seus endereços na internet, em local de fácil acesso, um software gratuito para medição da velocidade de conexão à internet. O Procon -SP alerta que, nesse primeiro momento, a medição será feita apenas como teste, mas que, a partir de outubro, requisitos mínimos de qualidade estabelecidos pela Anatel deverão ser atendidos.

Entre esses requisitos, a Agência estabeleceu o dever de que o resultado de cada medição apresente informações como a data e hora da medição, localização da medição, velocidade instantânea, latência bidirecional, variação de latência e taxa de perda de pacotes. Além disso, o software deverá permitir que as medições sejam realizadas de forma pontual, quando solicitado pelo Assinante, devendo apresentar, no mínimo, o resultado de cada medição, o histórico dos resultados das medições realizadas e a média dos resultados das mesmas.

Todos os canais de atendimento das empresas deverão estar capacitados à orientar os clientes quanto à obtenção, instalação e utilização do programa de medição. E a intenção da Anatel, com a medida, é oferecer aos consumidores uma ferramenta que fará com que os mesmos sejam capazes de comparar os serviços que são oferecidos pelas operadoras, bem como buscar a devida reparação quando constatada diferença entre o que fora contratado e o que é oferecido.

 é advogado e sócio do Trevisioli Advogados Associados, escritório especialista em Direito Cooperativo.

 integrante da Trevisioli Advogados Associados.

Revista Consultor Jurídico, 3 de março de 2012, 9h46

Comentários de leitores

5 comentários

Raposa tomando conta do galinheiro?

antonio costa17 (Contabilista)

Correta tradução do relatório feito por "Alexandre Tavares"

Ao editorial

Olympio B. dos S. Neto (Advogado Autônomo)

"Operadoras devem medir velocidade da coneção à internet".
Coneção esta errado é conexão.

Google nos resolve o problema

Ramiro. (Advogado Autônomo)

http://measurementlab.net/run-ndt
Laboratórios da Google desenvolveram programa aberto que identifica se o provedor pratica Traffic Shapping.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/03/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.