Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reabilitação social

Juiz quer órgão de formação profissional de condenado

A criação de uma fundação ou empresa pública para tratar especificamente da questão do trabalho de presos e egressos do sistema carcerário foi defendida pelo juiz-assessor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luciano Losekann. O juiz participou do painel ''Possibilidades de Contratação do Apenado e do Egresso —Experiências no País'', em seminário sobre o sistema prisional, que ocorreu nesta quarta-feira (6/6) no Palácio da Justiça, em Porto Alegre.

Para o juiz, a promoção de capacitação e de trabalho para presos e ex-apenados é uma forma de, efetivamente, se conseguir sua ressocialização, reduzindo a taxa de reincidência e, consequentemente, a criminalidade. Ele afirmou que as disposições da Lei de Execuções Penais (LEP) não vêm sendo utilizadas em sua plenitude. Como exemplo, citou a oferta do ensino fundamental para os apenados, que não é aplicada.

Outra possibilidade levantada pela LEP é a criação de fundação ou empresa pública, cujo objetivo seja a formação profissional do condenado e, ainda, a utilização de presos, inclusive do regime fechado, na realização de obras da Administração Pública Direta e Indireta. ‘‘Faltam vontade política e cobrança da sociedade’’, analisou o juiz Losekann.

Losekann citou, também, experiências exitosas, como a criação de Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), dedicadas à recuperação e reintegração social dos condenados em Minas Gerais. Ele salientou que uma deficiência das APACs é não oferecer de trabalho aos apenados. Por isso, no Paraná, sua criação vem sendo combinada com a implantação de cooperativas sociais de presos, egressos do sistema e familiares. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RS.

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2012, 5h59

Comentários de leitores

1 comentário

este pessoal vive no mundo da lua

daniel (Outros - Administrativa)

não tem nada a ver crime e falta de qualificação profissional. Se fosse assim não teria juiz criminoso.
PRecisamos romper com esta bobagem de que pobre é criminoso. Todos podem ser criminosos.
O que inibe o crime é a punição efetiva e rápida
Bandido com estudo dá golpe pela internet em vez de bater carteira na rua. Apenas esta é a diferença.

Comentários encerrados em 18/06/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.