Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política de classe

OAB deve estar comprometida com o bem da advocacia

Por 

[Artigo originalmente publicado na edição desta quinta-feira, 27 de julho de 2012, do jornal Folha de S.Paulo]

A advocacia passa por uma grave crise de valorização, de respeito e de credibilidade marcada pela incompreensão sobre o seu papel institucional e social.

A sociedade desconhece a razão de ser da advocacia; a mídia propositadamente a confunde com o cliente e há quem lhe impute responsabilidade até pelas mazelas do Poder Judiciário. Como participantes da administração da Justiça, parece que nós advogados apenas somos tolerados porque nosso mister tem previsão constitucional.

Não obstante, imploram a nossa presença e a reconhecem como indispensável quando estão às voltas com conflitos individuais ou quando as prerrogativas inerentes às suas instituições estão em risco.

Apesar do grande empenho de inúmeros e destacados líderes para a plena revalorização da profissão, a crise perdura e cresce.

Note-se que alguns dirigentes da OAB se satisfizeram em ostentar os respectivos cargos, mas consideraram o seu exercício um fardo insuportável e nada fizeram. Outros os transformaram em um palco propício à exploração midiática e à promoção pessoal. Ademais, há dirigentes preocupados exclusivamente com temas distantes daqueles de interesse da advocacia, que ficam relegados ao esquecimento.

Cumpre à OAB o trabalho de revalorização da profissão. Para que ela possa cumprir esse papel, é preciso que seus diretores, conselheiros e membros das comissões estejam imbuídos do ideal de servir, com desprendimento e olhos postos nas reais necessidades da advocacia.

Assim, a OAB não pode ser vista ou tratada como um clube recreativo ou social, como mera ação entre amigos ou como um espaço para conquistas no campo profissional.

A postulação aos cargos se justifica dentro dos limites traçados pela vontade de servir e pela coerência com ideias e ideais. Sem a exposição sincera de um ideário claro e objetivo, deve-se desconfiar das intenções daquele que postula.

Aprendi a fazer política de classe em uma época em que se acreditava na advocacia como agente transformador da sociedade, como uma via de aperfeiçoamento do Judiciário e como um instrumento eficaz para a construção de um país melhor.

Esforços não eram poupados por nós, como porta vozes dos anseios, das aspirações e das angustias de uma profissão já em crise e de uma sociedade carente de canais transmissores de suas reivindicações.

Éramos meio quixotescos, inconformados, rebeldes, insatisfeitos, perseguíamos utopias para transformá-las em sonhos, em realidade.

Nos dias de hoje, embora muitos militantes da política de classe se conduzam daquela forma, parece haver uma tendência ao individualismo e ao pragmatismo.

O apoio a uma das chapas em disputa fica na dependência do cargo oferecido. Pouco importam o programa de gestão e as soluções propostas para os problemas específicos. Inúmeras questões relevantes não são consideradas, desde que os interesses individuais sejam satisfeitos.

Não se trata de pessimismo, trata-se de uma análise realista, mas não derrotista.

Sua reversão vai depender, de um lado, do desprendimento e do espírito público daqueles que se dispuserem a dirigir a OAB e, de outro, dos eleitores, que deverão discernir e escolher os que estiverem efetivamente comprometidos com o bem comum da advocacia. Será preciso colocar o joio bem distante do trigo.

 é advogado, foi secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo e presidente da OAB-SP.

Revista Consultor Jurídico, 26 de julho de 2012, 16h51

Comentários de leitores

83 comentários

Telhado de Vidro

Brecailo (Advogado Autônomo - Consumidor)

Distinto se ele está com medo então porque começou? Covardia são os atos dele que denigrem a advocacia, pois, tudo que postei está na internet, no site do TJ, tudo público, são sentenças, não é nada inventado, é só pesquisar! Vil foram os ataques que ele fez de forma generalizada e acusações levianas, tanto é verdade que um colega disse para ele nunca passar na frente dele! Se ele tem telhado de vidro deveria pensar melhor antes de jogar pedra!

Resp. ao que se diz Advogado Brecailo

ANS (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Distinto,
Eu não tenho a procuração do Dr. Pitar, nem tão pouco o conheço, mas a forma que o ataca é vil e covarde. (lamentavelmente esse é o retrato da nossa instituição)

Outra do tal V

Brecailo (Advogado Autônomo - Consumidor)

Ainda, no mesmo sentido, decisão desta Corte de
Justiça:
"MANDADO DE SEGURANÇA - Multas de trânsito - Exigência de pagamento quando do licenaciamento/ - Existência de previa notificação por meio de edital - Admissibilidade -
Segurança denegada - Recursos providos". (Apelação Cível com Revisão n° 641.908.5/7-00, Relator Des. Urbano Ruiz, DJ 03 12.2007).
4. Com base em tâiá fundamentos, nega-se provimento ao recurso, com observações, relegando às vias ordinárias a apreciação da exigibilidade e cobrança das multas.
GUERRIERI REZENDE
Des. Relator
Se o TED entender pelo arquivamento, o tal vai jogar pedra, que é perseguido, o mesmo snif, snif, snif...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/08/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.