Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Propriedade Intelectual

Justiça libera venda de "genérico" do Mini Cooper

O desembargador Luciano Rinaldi, do Tribunal de Justiça do Rio, suspendeu nesta segunda-feira (9/7) liminar que proibia a importação e a comercialização do carro chinês Lifam 320, que a BMW acusa de ser uma imitação do Mini Cooper. Uma decisão judicial, de 18 de maio, proibira a venda, determinação que deveria ser cumprida em 60 dias. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Ao suspender os efeitos dessa decisão, Rinaldi alegou que a ordem de retirar os veículos chineses do mercado só deve ser tomada quando houver posição final sobre a questão. O Lifam começou a ser comercializado no país em 2008 e neste ano já foram vendidas 629 unidades.

A BMW acusa a empresa Ever Electric, representante dos chineses no Brasil, de promover "uma concorrência desleal e parasitária, pela imitação do aspecto visual do Mini Cooper".

À Justiça, os advogados do escritório Danneman Siemsen, representantes da BMW, acusam o fabricante chinês de copiar até mesmo a estilização da pintura. A defesa da Ever Electric diz que não haveria concorrência desleal porque as características são distintas.

O Mini Cooper é comercializado no Brasil por R$ 150 mil. Já o Lifam 320 é vendido por R$ 30 mil.

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2012, 4h28

Comentários de leitores

5 comentários

Nada se cria, tudo se transforma

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Sempre foi assim, desde os primórdios da invenção do carro. A Ford e a G. Motors que o digam. As cópias, ao contrário do que muitos pensam, só servem para enaltecer e 'diferenciar' o que é realmente de boa qualidade e o que não passa de 'bijuteria'. O JAPÃO, que hoje lidera um dos mais exigentes mercados mundiais no segmento automobilístico (os EUA), também começou imitando os carros norte americanos com porcarias de baixo custo. Aos poucos foi se aperfeiçoando e hoje detém 75% do total dos automóveis naquele país. Com a China não será diferente. Daqui há uma ou duas décadas os carrinhos estarão infestando o nosso mercado tupiniquim, com boa qualidade e ótimo preço. Quem viver verá.

gastando tempo da Justiça com bobagens.........

hammer eduardo (Consultor)

Muito me admira a PODEROSA BMW que atualmente detem os direitos sobre a marca MINI COOPER perder tempo com uma patuscada deste nivel. Na moita quem desembolsa a partir de 90 000 para ter uma Mini Cooper atual, esta pouco se lixando para os que optam por este verdadeiro "generico" fabricado na China e "montado" no Uruguai.
O mercado atualmente esta entulhado de variadas porcarias que são verdadeiras bombas-relogio a longo prazo e estes da marca LIFAN são um deles. Na moita , acho que os Compradores que optam por um clone de oitava categoria como o Lifan , mereciam mesmo uma copia atualizada do ja falecido "atestado de pobreza" , principalmente de espirito......
Os Chinises copiam TUDO sem a menor cerimonia , principalmente agora que literalmente dominam a economia mundial crescendo justamente nos espaços que o Ocidente deixou de presente para eles ja que os custos ficaram inviaveis em quase todos os setores.
Pior do que a copia do Mini Cooper são as copias do SMART e do ROLLS ROYCE feitos por estas fabriquetas que ate bem pouco tempo fabricavam apenas penicos..........Globalização é isso ai.
Os Chinas hoje "estão podendo" e muitas vezes batem pesado quando por exemplo uma outra montadora ching-ling chamada GEELY comprou da enrolada Ford "simplesmente" a marca VOLVO que hoje querendo ou não pertence aos chinas , se vão destruir a imagem anterior , é outra historia. Lembremos que na derrocada economia Ocidental, os Hindus tambem compraram as prestigiadas Land Rover , Aston Martin que hoje são de propriedade da TATA Motors que é uma especie de ching ling com banho de loja. A LIFAN agradece a "propaganda gratuita" fornecida pela BMW no Brasil !

JrC

Rulian Diego Gomes (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Este carro custa US$ 33.000,00 na Argentina... aqui, estranhamente custa mais de R$ 100.000,00.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.