Consultor Jurídico

Dominó empresarial

STJ estende efeitos de falência a outras empresas

“Para modernas lesões, promovidas com base em novos instrumentos societários, são necessárias soluções também modernas e inovadoras.” A consideração é da ministra Nancy Andrighi, da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que entendeu como possível a possibilidade de extensão dos efeitos da falência da Petroforte a empresas e pessoas físicas sem vínculos societários diretos, adaptando a conhecida desconsideração da personalidade jurídica.

O colegiado concluiu pela legalidade da decisão de primeiro grau, que se baseou na suspeita de realização de operações societárias para desvio de patrimônio da empresa falida nos anos anteriores à quebra, inclusive com a constituição de sociedades empresariais conjuntas para esse fim.

Segundo a ministra Nancy, a desconsideração da personalidade jurídica tem de se encontrar “em constante evolução para acompanhar todas as mutações do tecido social e coibir, de maneira eficaz, todas as novas formas de fraude mediante abuso da personalidade jurídica”.

De acordo com os autos, a Kiaparack Participações e Serviços Ltda. participou da sequência de negócios jurídicos de arrendamento e compra e venda celebrados com a intenção de desviar uma valiosa usina, a Sobar S/A Álcool e Derivados, dos bens da Petroforte. Segundo o processo, dois grupos econômicos (Grupo Petroforte e Grupo Rural) se uniram com o propósito comum de desviar o patrimônio da empresa em situação pré-falimentar, em prejuízo da massa de credores.

O pedido de desconsideração da personalidade jurídica e de extensão dos efeitos da falência foi feito em 2007 pelo síndico da massa falida da Petroforte. A lista relaciona 11 empresas e nove pessoas físicas. Todos, de acordo com o requerimento, teriam participado de diversas operações realizadas com o intuito de desviar bens da massa falida.

A Kiaparack recorreu ao STJ. Alegou não ter sido previamente intimada, citada ou ouvida em processo autônomo. Para ela, isso implica cerceamento de defesa.

A ministra Nancy Andrighi explicou que uma ação autônoma para a extensão da quebra é possível quando forem empresas coligadas, conforme jurisprudência do STJ. No caso concreto, explicou, a caracterização da coligação das empresas é uma questão fática reconhecida pelas instâncias ordinárias, o que não pode ser revisto na análise do recurso especial. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de fevereiro de 2012, 10h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/02/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.