Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Sem precedentes"

The Economist elogia atuação do STF no mensalão

A revista britânica The Economist deu destaque ao julgamento do mensalão em sua última edição e afirmou que em 2013 os brasileiros poderão se ver diante de um fato “sem precedentes” na história do Brasil: “políticos bem relacionados atrás das grades”. Intitulado Um cardápio mais saudável, o texto traz charge do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, que joga uma pizza na lata do lixo. Na imagem, o relator do mensalão aparece ao lado de um trailer com saladas colocado à frente do Supremo Tribunal Federal.

"É tão raro a corrupção política levar a uma punição no Brasil que há uma maneira de se designar a forma como os escândalos acabam. Eles 'terminam em pizza'(...) Mas um escândalo particularmente descarado acabou, surpreendentemente, tendo um fim desagradável para alguns malfeitores proeminentes", diz a revista.

The Economist elogiou a atuação da Polícia, da Promotoria e do Judiciário e diz que o Brasil melhorou no ranking de percepção sobre corrupção, destacando a promulgação da Lei da Ficha Limpa. Para a revista, os promotores, os juízes e a imprensa estão em uma batalha para limpar a vida pública.

A revista destacou, ainda, a cautela com que o Ministério Público vem tratando as declarações do publicitário Marcos Valério de que dinheiro do mensalão teria pago despesas pessoais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Essas alegações podem ser apenas uma tentativa desesperada de um homem condenado de negociar para baixo sua prisão", diz a revista, citando a condenação de Valério a 40 anos de reclusão.

Apesar dos elogios, a revista lembrou os mais recentes escândalos envolvendo o governo federal: a Operação Porto Seguro, com o indiciamento da ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha, e a CPI do Cachoeira, que terminou sem indiciar nenhum investigado. “Apesar do veredicto do mensalão, ela [a pizza] não desapareceu por completo do cardápio", finaliza o texto.

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2012, 14h48

Comentários de leitores

2 comentários

Elogio apressado

Barros Freitas (Outros)

Os britanicos não gozam de ilibada reputação para se arvorarem de criticos de nada nesse mundo. Quanto aos elogios pela atuação do STF isso foi um tanto precipitado e elogios mesmos se devem ao Ministro Barbosa. Mas, com seu recuo de hoje, rejeitando a imediata prisão dos quadrilheiros, grave erro cometeu, embora em nome de uma paz incerta. O atrevimento do salafrário lider do PT em ameaçar transformar a Câmara em uma espécie de embaixada inviolavel para albergar os corruptos, talvez tenha influenciado o ministro. Isso foi péssimo, pois cedeu o tom do discurso a esse bando e concomitantemente teve o STF sua credibilidade arranhada. Soltos, esses bandidos irão tramar para adiar indefinidamente o fim do final desta estória, que já começa a feder a pizza podre. O STF jamais deveria dar tamanho demonstração de submissão, e fosse quais fossem as consequencias, estaria com a razão e com expressivo apoio da população. De agora por diante esses salafrários irao "cantar de galo" e o futuro provará isso.
Alberto Freitas.

"Sarro"

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Esses gringos gostam de tirar um "sarro" da justiça tupiniquim! Por lá, as coisas são bem diferentes.

Comentários encerrados em 28/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.