Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Carceragem do Batalhão

Suspeito de mandar matar juíza é exonerado no Rio

O tenente-coronel Cláudio Luiz Oliveira, que comandava o 22º Batalhão da Polícia Militar do Rio, na Maré (zona norte), foi exonerado do cargo nesta terça-feira (27/9). Oliveira é suspeito de ser o mandante da morte da juíza Patrícia Acioli, que foi baleada quando chegava em sua casa, em Niterói (região metropolitana do Rio), no mês passado

De acordo com a PM, o oficial está detido desde a madrugada na carceragem do Batalhão de Choque. Na época do assassinato, Oliveira era comandante do 7º Batalhão, em São Gonçalo, cidade onde a juíza atuava.

Mais três militares suspeitos de envolvimento no crime estão presos: o tenente Daniel Santos Benitez Lopez e os cabos Sérgio da Costa Júnior e Jefferson de Araújo Miranda. A pedido do Ministério Público do Rio, eles foram transferidos na semana passada da Unidade Prisional da PM, em Benfica (zona norte), onde estavam detidos, para unidades separadas. O objetivo é evitar que combinem o que dizer nos depoimentos.

A suspeita sobre o tenente-coronel surgiu após depoimento de um dos policiais à Justiça. Ele acusou o ex-comandante de ser o mandante do crime. Segundo a investigação feita até agora, a motivação do assassinato da juíza está relacionada à morte do jovem Diego Beliene, 18 anos, durante uma operação policial.

Os envolvidos neste crime, lotados no Batalhão de São Gonçalo, eram investigados pela suspeita de terem forjado a morte de Beliene como sendo "auto de resistência", como são classificadas pela PM as mortes de suspeitos em confrontos. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 27 de setembro de 2011, 16h21

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/10/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.