Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ocupação estudantil

USP quer reintegração de posse do prédio da reitoria

A USP entrou, na tarde desta quinta-feira (3/11), com pedido de reintegração de posse do prédio da reitoria, na Cidade Universitária, zona oeste de São Paulo, que está ocupado por estudantes desde a madrugada desta quarta-feira (2/11). A informação é da Folha de São Paulo.

A decisão de pedir a reintegração havia sido anunciada após uma reunião da Comissão da Reitoria.

A invasão do prédio começou por volta da 0h desta quarta e foi feita por um grupo descontente com a decisão da assembleia dos alunos de desocupar o prédio da administração da FFLCH (Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas) — ocupado desde a última quinta-feira (27/10).

Com os rostos cobertos com camisas e alguns armados com paus, pedras e cavaletes, os alunos forçaram o portão da reitoria e invadiram o prédio.

Os estudantes devem se reunir na noite desta quinta, em frente à reitoria, para discutir a ocupação. Eles pedem a revogação do convênio entre a universidade e a Polícia Militar, que permite a atuação de PMs na Cidade Universitária, e a revogação de processos contra estudantes, professores e funcionários.

A polêmica envolvendo estudantes e Polícia Militar começou na última quinta-feira, quando três estudantes de geografia foram flagrados com maconha no estacionamento da faculdade. A abordagem desencadeou um confronto entre policiais e alunos, quando estes reagiram contra a prisão dos colegas.

Esse foi o primeiro problema envolvendo policiais e universitários desde que a PM passou a fazer a segurança do campus, há quase dois meses. O convênio entre a corporação e a USP foi assinado para tentar reduzir a criminalidade no local. Em maio, o estudante Felipe Ramos de Paiva, 24, morreu baleado numa tentativa de roubo.

Na terça (1º/11), um ato a favor da permanência da PM no campus reuniu cerca de 300 pessoas na praça do Relógio, na Cidade Universitária. Entre os participantes estão alunos dos cursos de economia, administração, letras, filosofia e história.

O evento foi marcado pelos alunos no Facebook. De acordo com o texto na rede social, o movimento repudia a ocupação de prédio administrativo da FFLCH e o confronto ocorrido com a Polícia no dia 27 de outubro.

Revista Consultor Jurídico, 3 de novembro de 2011, 16h50

Comentários de leitores

1 comentário

QUEREM DAR OUTRO SIGNIFICADO AO CAMPUS

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Querem transformar o 'campus' em maconhódromo ? Os façam sair debaixo de vara que é o que merecem. Num país onde escolas de qualidade são coisa raríssima, esses babacas de plantão, sortudos por terem conseguido uma vaga na melhor Universidade do Brasil, ainda ficam enchendo o saco e dando trabalho, sem gastarem um tostão?
Pau neles, já que a realidade da vida ainda não foi suficiente para conscientizar esses moleques mal educados disso.

Comentários encerrados em 11/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.