Consultor Jurídico

Repercussão Geral

Banco do Brasil questiona decisão do STJ

O Banco do Brasil entrou com Reclamação, no Supremo Tribunal Federal, para questonar decisão do Superior Tribunal de Justiça. O argumento é o de que a 3ª Turma do STJ desobedeceu a determinação da corte relativa à suspensão temporária dos processos que discutem o pagamento de correção monetária dos depósitos em cadernetas de poupança afetados pelos planos econômicos Collor I (valores não bloqueados), Bresser e Verão.

O reconhecimento da Repercussão Geral desta matéria pelo STF ocasionou a suspensão de todos os processos judiciais em tramitação no país, em grau de recurso, que discutem o pagamento de expurgos inflacionários.

A 3ª Turma do STJ julgou um dos agravos de recurso. E, por isso, o banco entrou com pedido de liminar para que o julgamento fosse suspenso com o argumento de que o caso ganhou Repercussão Geral no Supremo. Com informações da Assessoria de Imprensa da Supremo Tribunal Federal.


 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de maio de 2011, 20h53

Comentários de leitores

2 comentários

Em complementação...

MSM74 (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

(...) "princípios constitucionais como a celeridade processual e razoável duração do processo", diga-se de passsagem, já feridos no caso dos chamados Planos Econômicos. Inaceitável a demora, mormente porque todos os Ministros, à exceção do Min. Toffoli (que ainda não se manifestou fomalmente sobre o assunto), já se posicionaram reiteradas vezes favoráveis ao direito dos poupadores. O parecer do PGR, Dr. Roberto Gurgel, também não destoa do entendimento. Ainda assim os poupadores, em sua maioria pessoas idosas, têm que aguardar sem previsão o julgamento do RE 626.307. É o manifesto abuso do poder econômico. Ao final, serão condenados a pagar juros de 1% a.m., ao passo que, até lá, terão emprestado o valor a juros obscenos de até 10% a.m. Para os Bancos, quanto mais demorar o julgamento, melhor...

Quanta imbecilidade...

Cleber (Advogado Autônomo)

Parece que há um apagão jurídico e ninguém parece estar se dando conta. O sobrestamento determinado pelo Min. Toffoli não pode ser interpretado para todo e qualquer recurso, mas sim, apenas os EXTRAORDINÁRIOS, isso é patente, basta ler o art. 328 do RISTF, bem como o 543-B do CPC. Pensar diferente seria atribuir poderes absolutistas a Ministros do STF, seria ferir princípios constitucionais como a celeridade processual e razoável duração do processo.

Comentários encerrados em 04/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.