Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acidente de trabalho

Pelo menos 6 pessoas morrem por dia durante trabalho

Esta quarta-feira (27/7) é o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho. A data ganha importância atualmente devido aos altos e crescentes índices desse tipo de acidente registrados no país. O tema desperta grande preocupação no TST. Segundo dados do Anuário Estatístico da Previdência Social, em 2001 ocorreram no país cerca de 340 mil acidentes de trabalho. Em 2007, o número subiu para 653 mil e, em 2009, chegou a preocupantes 723 mil ocorrências, dentre as quais foram registradas 2.496 mortes. Ou seja, são quase sete mortes por dia em virtude de acidente de trabalho.

Além da perda de vidas humanas e dos efeitos decorrentes, os acidentes e doenças do trabalho causam relevante impacto orçamentário: a Previdência Social gasta por ano aproximadamente R$ 10,7 bilhões com o pagamento de auxílio-doença, auxílio-acidente e aposentadorias.

Em 3 de maio deste ano, por iniciativa do presidente do TST e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen, foi lançado o Programa Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho. “A hora clama por um conjunto de esforços entre os Poderes Executivo e Judiciário, com vista a uma política nacional permanente, voltadas à prevenção de acidentes”, alertou o ministro Dalazen na ocasião do lançamento.

O programa se desenvolve em várias frentes. As redes públicas e comerciais de televisão do país estão veiculando, gratuitamente, uma série de anúncios alertando para os riscos de acidente nos locais de trabalho e sobre a importância das medidas de prevenção, como o uso de equipamentos individuais.

Em 31 de maio foi feita a primeira reunião do Comitê Interinstitucional para Prevenção de Acidentes de Trabalho e Doença Ocupacional, com o início do mapeamento das diversas ações a serem implementadas na área. O comitê é composto pelo TST, pelos Ministérios do Trabalho e Emprego, da Previdência Social e da Saúde e pela Advocacia-Geral da União e tem como objetivo propor, planejar e acompanhar os programas e ações voltadas para área prevenção de acidentes no ambiente de trabalho. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Confira abaixo os vídeos da campanha:

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2011, 18h27

Comentários de leitores

2 comentários

Falta de vergonha

Cláudio A Oliveira (Consultor)

Sim, uma total falta de vergonha a situação apontada, onde seis trabalhadores morrem diariamente, vitima de acidentes e doenças do trabalho, falta vergonha na cara por parte da classe empregadora, governamental e sindical, temos uma legislação rica, porém não praticada, falta-nos cultura de prevenção, temos tudo pronto na teoria, a nossa legislação é excelente, temos Normas Regulamentadoras e de que precisamos, coerencia em atender o cumprimento ao ordenamento legal, em ambito legal não há uma especialização voltada para a situação da Segurança e Saúde do Trabalhador, o legislador em si desconhece a legislação e acaba sendo ludibriado nas sentenças, onde se faz prova de que "tudo" foi devidamente atendido, ledo engano, tudo é possível no papel, porém os trabalhadores ficam a merce da boa vontade de quem faz e, estes que tem a boa vontade, que são os profissionais membros do SESMT são em sua maioria chantageados em fazer inserir o preto no branco com aval de carimbo e assinatura, basta...é tempo de fazer bater lata e cumprir a legislação, ao contrario amanha serão 9, depois 12, posteriormente 15, pois na mentalidade do empregador, todos somos substituiveis e, quem arca com o onus da ausencia do trabalhador em casa em decorrencia de morte, é a familia que fica a merce da dita e falida passa previdenciaria que a tudo e a todos condena para não honrar com os deveres previdenciarios...

Como denunciar o próprio patrão????

Ezac (Médico)

A questão da saúde no trabalho só vai ser resolvida quando a equipe do SESMT for funcionario publico federal, tornando-se independente do contratador. Todas as normas seriam aplicadas.
É o mesmo procedimento com os veterinários do SIF. Eles teriam coragem de interditar alimentos se fossem empregados da empresa??

Comentários encerrados em 04/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.