Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Afirmação aventureira"

Liberar consumo de maconha não dminui violência

A liberação da maconha no Brasil favorecerá o tráfico e não diminuirá a violência no país, segundo o procurador de Justiça de São Paulo Marcio Sergio Christino, especialista em crime organizado. Na opinião dele, ao defender o consumo, defende-se quem tem o produto para vender – os traficantes de drogas. As informações são da Agência Brasil.

Para o procurador, não há como distinguir quem vende maconha e quem vende outras drogas, e por isso não há como imaginar que a violência da guerra ao tráfico vai diminuir, caso haja a liberação do consumo de maconha. Na opinião de Christino, a opinião de que a violência vai diminuir é “aventureira”.

O principal problema, diz ele, é que “a legislação brasileira é esquizofrênica”: “Temos uma série de casos de diminuição de pena de forma que a pena por tráfico hoje no Brasil é a menor do mundo, o que causa espanto, dados a força e o crescimento que o tráfico tem”. A solução, na opinião do procurador, deve-se seguir o exemplo de países com penas mais rigorosas para os traficantes, pois só assim vai haver diminuição na venda de drogas.

Um dos argumentos apontados para liberar o consumo de maconha no Brasil é que haja uma regulamentação para o plantio. Christino, no entanto, acha que o país não tem condições econômicas e sociais para isso, que considera “um ônus desnecessário” ao Estado.

O Coletivo Marcha da Maconha promoveu, neste sábado (2/7), uma manifestação pela mudança na Lei de Drogas, como a regulação do plantio, da distribuição e do uso da maconha. Eles também defendem regras para a propaganda do produto, semelhantes às do álcool e do cigarro.

Revista Consultor Jurídico, 2 de julho de 2011, 18h05

Comentários de leitores

7 comentários

multidisciplinar...

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Todos podem opinar, claro.
Porém, essa questão é extremamente complexa, e caberá grande discussão social, com o parecer de profissionais de outras áreas.
A princípio, penso que o procurador está equivocado, porque está muito bem provado que a pena de prisão não resolve nada.
Quem trabalha na área criminal sabe melhor do que eu, que o crime é mutante, e que se adapta à qualquer modo de força imposta.
Se instituída maioridade penal de 10 anos (hipótese), o crime recrutará crianças de 9 anos. E por aí vai.
Assim, no mesmo raciocínio, o traficante (o cara que manda) não está nem aí se aumentarmos a pena, se prendermos bastante ou se formos mais rigorosos com os "soldadinhos".
Qualquer ação pública que não vise os verdadeiros chefes será inútil.

FALSOS MORALISTAS

Gusto (Advogado Autônomo - Financeiro)

Os adeptos dessa imbecilidade denominada "marcha da maconha" não passam de desocupados, filhinhos de papai e mamãe que não têm nada a fazer na vida e gostam das baladas regadas a drogas, isso se não forem comparsas do crime organizado e similares. É evidente que a liberação vai fortalecer o tráfico, sendo que a única solução que vejo é acabar com a progressão da pena e também com o limite da pena para casos que tais, impondo aos traficantes (e aos plantadores da "canabis" e produtores de outras drogas) o cumprimento integral da condenação.

SERÁ QUE VIVEMOS EM UMA NAÇÃO DE ALIENADOS? (RET.)

Enos Nogueira (Advogado Autônomo - Civil)

O assunto liberação da maconha volta à baila após a “marcha da maconha”. A minha geração, na sua maioria, nunca fumou maconha porque era (e continua sendo) uma droga proibida (felizmente); se é proibida é porque não faz bem à saúde física e mental (principalmente a esta última) dos seus usuários; caso não fosse proibida poderia passar a falsa impressão de que não faria tanto mal à saúde, posto que FOI liberada, para consumo, pelo Poder Público.
Voltando ao assunto “marcha da maconha” fico a imaginar o porquê de tal marcha, se não se faz marcha conta a corrupção, contra os políticos venais, contra as licitações direcionadas, contra a falta de investimento na educação, na pesquisa científica, na preparação dos professores etc., portanto, estas marchas (e não a da maconha) seriam extremante importante para o desenvolvimento deste pobre país e, principalmente, para o bem do seu povo, pois o ralo da CORRUPÇÃO sangra todas as riquezas nacionais.
Será que vivemos em uma nação de alienados, na qual é mais importante fumar maconha do que combater a corrupção e escolher melhor os políticos?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.