Consultor Jurídico

Cenário eleitoral

Pedido de registro de Jader Barbalho é negado no STF

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, negou liminar em Ação Cautelar para deferir o registro de Jader Barbalho, candidato ao Senado pelo Estado do Pará. O registro foi indeferido com base na Lei Complementar 135/2010 (Lei da Ficha Limpa). O Pleno do STF já decidiu que a lei não pode ser aplicada ao pleito de 2010.

Em sua decisão, o ministro frisou que, "diante do contexto fático e da natureza satisfativa da pretensão, não se afigura razoável, a meu sentir, que, em juízo monocrático, seja deferida a antecipação dos efeitos da tutela requerida para reverter entendimento firmado pelo Plenário desta Corte, uma vez que, em face da relevância da questão constitucional, somente a ele compete revê-lo”.

A decisão que indeferiu o registro de Barbalho foi mantida pelo STF no julgamento do Recurso Extraordinário 631.102, em 27 de outubro do ano passado. Contudo, ao julgar o RE 633.703, em março deste ano, o Pleno do Supremo decidiu que a LC 135/2010 não devia ser aplicada às eleições 2010.

Jader Barbalho interpôs Embargos de Declaração para tentar mudar a decisão no RE 631.102. Segundo ele, a demora no julgamento dos embargos causa dano irreparável, já que ele é detentor de mandato de senador da República, tendo permanecido afastado do cargo por quase cinco meses.

O caso chegou às mãos do ministro Lewandowski porque o relator original da Ação Cautelar, ministro Joaquim Barbosa, está afastado por licença médica. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

AC 2.909




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2011, 17h05

Comentários de leitores

1 comentário

RELAÇÃO: MINISTRO DO SUPREMO X TSE

Sergio Battilani (Advogado Autônomo)

Sempre pensei que o magistrado que julga causa em uma instância (ou mesmo em outro tribunal), jamais poderia julgar em grau de recurso...
.
A PARCIALIDADE é escancarada!
.
Esse magistrado foi um dos mais ferrenhos defensores da imediata aplicação da lei (inconstitucional/ilegal e imoral) "ficha limpa".
.
Ademais, entendo que caberia a abertura de inquérito para ao menos analisar a questão, pois a recente decisão do STF NÃO DEIXOU MAIS DÚVIDA ALGUMA quanto ao aspecto temporal da aplicação da lei (irretroatividade!).
.
Assim, em tese, é passível de investigação a conduta do magistrado, pois o mandato de um Senador da República está se esvaindo, sendo IRRECUPERÁVEL:
"Prevaricação
Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:
Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa."
.
Com a palavra o procurador Gurgel!

Comentários encerrados em 09/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.