Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política de drogas

Descriminalização tem resultados para lá de razoáveis

Por 

Demissão?! Lamentavelmente, a nota do jornalista Ricardo Noblat, publicada em 13 de janeiro último, acerca da posição do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo sobre a Política de Drogas no Brasil, parecia antecipar a saída de Pedro Abramovay do governo Dilma.

Em tempos sombrios em matéria criminal, em que grassa a confusão, na maioria das vezes deliberada, sobre o que significa o fenômeno do consumo e circulação de drogas em todo o mundo, insistir na malsucedida política do confronto importa em chancelar as condições objetivas e concretas do genocídio, corrupção e dominação territorial, neste caso oscilando entre quem se aproveita do "mercado negro" diretamente e quem dele tira proveito, inclusive político, de forma indireta.

Pedro Abramovay não propôs nada de extraordinariamente ousado, exceto se "bom senso", "inteligência" e "racionalidade" devam ser encarados como ousadia!

No "centro" do mundo multiplicam-se as vozes pela descriminalização do uso e venda de drogas. Coube a alguns profissionais dos Estados Unidos da América a reação inicial à estupidez beligerante.

Difundiram-se e incentivaram-se políticas alternativas, com foco nas práticas de saúde pública que buscam integrar as pessoas e não marginalizá-las.

Na semiperiferia do mundo experimentam-se soluções que abrem mão da criminalização, com resultados para lá de razoáveis.

O esforço visando imprimir racionalidade ao trato da questão das drogas, desenvolvido por um profissional que nos últimos anos, durante o governo Lula, destacou-se pelo equilíbrio e por buscar sempre fundamentos para as ações sob sua responsabilidade, com amplo apoio nas Universidades, Centros de Pesquisas e corporações profissionais haveria de encontrar resistência em setores da sociedade que estão sendo educados pela mídia apenas a enxergar "inimigos", criados em verdade pela opção simplória e maniqueísta que viabiliza formas autoritárias de controle social.

Aliás, a defesa do debate público sobre o assunto, com seriedade e responsabilidade, é maltratada e os que sustentam (com números incontestáveis) a falência do modelo da "guerra às drogas" são frequentemente alvo de esforço de desmoralização. A reação ao bom senso tende a ser autoritária!

Quantas pessoas, afinal, precisarão morrer para reconhecermos este erro histórico?

Em uma hora como essa, como em tantas outras na caminhada recente da humanidade, pessoas como Pedro Abramovay fazem falta, farão muita falta.

São Homens em Tempos Sombrios.

Geraldo Prado é desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, integrante da 5ª Câmara Criminal.

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2011, 19h01

Comentários de leitores

62 comentários

O exmo. desembargador aponta um negócio rentável.

Edson Cardia (Delegado de Polícia Estadual)

Sem pena pra pequenos traficantes??? Ora, então o negócio é traficar pequenas quantidades e ganhar milhões.... ingenuidade... Pedro Abramovay já foi tarde....

Comentários gigante

Winston Smith (Servidor)

Vou ser bem sincero, eu não perco meu tempo lendo comentários gigantes em sites! Tenho tanto a ler por dia, jamais vou parar para ler posts gigantescos como vejo sobre o tema do artigo.
Falem mais objetivamente. E outra, por favor, parem com essa senilidade textual, pois isso não implica conhecimento algum (literalmente!)

O TEMA

acs (Advogado Assalariado)

O TEMA É DESCRIMINALIZAÇÃO DA LEGALIZAÇÃO DA MACONHA,(CANABIS SATIVA), NO BRASIL.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.