Consultor Jurídico

Independência financeira

ADI defende autonomia financeira da Justiça do Ceará

A Associação dos Magistrados Brasileiros ajuizou no Supremo Tribunal Federal Ação Direta de Inconstitucionalidade contra intervenção sobre a gestão de pessoal do Poder Judiciário, especialmente quanto ao pagamento de seus membros ou servidores. O dispositivo questionado é o parágrafo 5º, do artigo 64, da Lei Estadual 14.766/10 do estado do Ceará — Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2011.

Conforme a ação, o dispositivo limitou as despesas da folha complementar do Poder Judiciário, para 2011, em 1% da despesa da folha normal de pagamento de pessoal, o que foi considerado inconstitucional pelo STF para os anos de 2009 e 2010. Segundo a AMB, o Projeto de Lei 7.196/2010, que resultou na LDO revela que "tal restrição foi proposta pelo Poder Executivo de forma impositiva ao Poder Judiciário, como valores pré-definidos, que nada mais podia fazer senão se submeter à Proposta Orçamentária que lhe foi imposta".

O projeto de lei foi aprovado sem que o Judiciário tivesse sido chamado a discutir conjuntamente sua Proposta Orçamentária com os demais poderes, e assim, coube a ele apresentar sua Proposta Orçamentária com as restrições orçamentárias que já tinham sido definidas pelo Executivo.

Nesse sentido, a associação alega que o Judiciário não participou do processo de elaboração da LDO como prevê o artigo 99, da Constituição Federal. Por isso, considera "que os Poderes Executivo e Legislativo promovem uma restrição indevida ao orçamento do Poder Judiciário, que configura a hipótese de inconstitucionalidade material, em razão da indevida afronta ao princípio da autonomia financeira do Poder Judiciário, bem ainda a violação ao princípio do auto-governo dos Tribunais e da separação de poderes".

Segundo a entidade, a lei impôs ao Judiciário "uma restrição pertinente ao auto-governo inadmissível, ao usurpar a competência do legislador complementar da União, assim como da lei de iniciativa tripla, de todos os poderes".

A AMB ressaltou que "a autonomia financeira, garantida pela Constituição Federal ao Poder Judiciário, somente se concretizará diante da possibilidade de o Poder Judiciário participar da elaboração da proposta orçamentária de forma efetiva e não apenas figurativa".

De acordo com a AMB, o dispositivo também ofende os princípios da separação de poderes e da autonomia do Poder Judiciário. Por essas razões, pede o deferimento da medida cautelar para que seja suspensa a eficácia do parágrafo 5º, do artigo 64, da LDO de 2011 do estado do Ceará.

A mesma matéria é tratada na ADI 4.585, também de autoria da Associação dos Magistrados Brasileiros. As duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade têm como relator o ministro Luiz Fux. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

ADI 4.584
ADI 4.585




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2011, 0h53

Comentários de leitores

2 comentários

Poeira à vista

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Creio que a questão discutida na ADIn é de prova. Ora, se há vício material na tramitação do Projeto, cabe à AMB provar isso, surgindo assim a seguinte problemática: como o suposta ausência de participação do Judiciário poderá ser provada (o que resta questionável no rito da ADIn) quando sabemos que a maior parte das conversações nesse sentido são realizadas em reuniões fechadas, não raro em "paraísos paradisíacos"? Vejo na tramitação dessa ação o revolvimento de muitos fatos "indiscretos", que fará com que a ação não tenha curso: ninguém vai querer levantar a poeira.

autonomia para construirem mais palácios e enxugarem gelo

daniel (Outros - Administrativa)

autonomia para construirem mais palácios e enxugarem gelo, pois apenas aumentam os salários em vez de investir em informática.

Comentários encerrados em 28/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.