Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Violência no Rio

Veja uma das conversas que levou advogados à prisão

Para a Justiça, em conversa telefônica transmitida nesta sexta-feira (27/11) pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, as advogadas Flávia Pinheiro Fróes e Beatriz Costa de Souza falam sobre os últimos ataques ocorridos no Rio de Janeiro. A gravação serviu de base para que o juiz Alexandre Abraão decretasse, no mesmo dia, a prisão das duas e de Luis Fernando Costa, todos advogados dos traficantes Márcio Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, e Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco.

De acordo com ele, os três recebiam ordens por bilhetes e verbalmente. Depois, repassavam as informações para os demais membros das quadrilhas. O juiz acredita que a privação da liberdade dos advogados será capaz de quebrar a cadeia de comando.

O Ministério Público do Rio de Janeiro e o setor de inteligência do sistema penitenciário já monitoravam os advogados. Eles foram denunciados por tráfico e por colaborar como informantes da quadrilha. A Ordem dos Advogados do Brasil informou que vai abrir um processo disciplinar para investigar o caso.

Veja a conversa entre as duas advogadas:

Flávia: “É coisa do seu interesse mesmo, mas não posso falar por telefone não. Só pessoalmente”
Beatriz: “Pô, eu estava precisando falar contigo também. Você vai voltar pro Rio quando?”
Flávia: “Pois é, cara, é coisa muito séria, muito, muito, muito, muito séria”
Beatriz: “É o que está acontecendo?”
Flávia: “É. E eu já sei tudo, quem é, quem não é. E vai acontecer [sic] mais outras coisas que você não sabe”

 

Revista Consultor Jurídico, 29 de novembro de 2010, 16h22

Comentários de leitores

34 comentários

VITÃO, CORREÇÃO!

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

ONDE LÊ-SE "VONTE", LEIA-SE "VOLTE". ENFIM, VC ENTENDEU !rs

VITÃO SEUS VENCIMENTOS SAEM DO MEU BOLSO! VONTE AO TRABALHO!

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Muito bom ter parado de utilizar o conjur em horário de trabalho. O dinheiro público agradece.Bom, vamos lá: nunca fiz juramento de lavar dinheiro do narcotráfico por meio de recebimento de honorários. Entendeu? muita gente não está nem aí, mas reservo-me ao direito de querer essas pessoas bem longe da sociedade e não preciso do dinheiro deles.
Não me mancomunaria com a acusação, nunca. Respondido?
.Direito e Moral nunca se deram as mãos, diga-se a teoria dos círculos secantes..., mas nem por isso um homem de bem deve esquecer tudo que aprendeu (se é que aprendeu) e jogar no lixo, fazendo de tudo para tirar vagabundos do cárcere, desde que devidamente pago, muitas vezes com dinheiro advindo do crime.Conceito de Estado de Direito? Ah, seu mané, a CF equiparou criminoso a perseguido político. Vc não sabia? O Jobim ensina, seu ignorante: http://wn.com/Quem_s%C3%A3o_os_verdadeiros_terroristas?!
.
Uma Lei feita para proteger criminoso político, que serviu de escudo para todo tipo de vagabundo e, consequentemente, uma rica fonte de renda para devogados de porta de cadeia. Será que tá entendendo? Sempre que posso ensino isso para o povão, por uma questão moral e não de julgar colegas. Alguém precisa contar a verdade.Razões de Estado? Ó coitado do Dantas, do Hildebrando, do Collor, dentre outros. Que peninha deles...kkkk. Realmente na época do Rui tinha uma maioria de honestos na advogacia. Havia noção de justiça. Hoje o que vale são os honorários ou como disse um advogado de traficante certa vez na record: "kd meu honoreba!". Esse já foi exterminado pelo próprio tráfico, a bem da sociedade.O sr. e outros aqui estão me julgando porque a carapuça serviu. Sei o que é ser um bom advogado e por isso sinto vergonha dos dias atuais. VOLTE AO TRABALHO!

CLÁUDIO

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

certamente há mais provas. O problema é que essas matérias são bem superficiais.
.
Caso sejam apenas essas conversas, as advogadas devem ser inocentadas, muito embora tenha muita gente por aqui que coloque a mão no fogo por elas, talvez por se identificarem.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.