Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Compromisso democrático

Obama parabeniza Dilma por "vitória histórica"

A presidenta eleita do Brasil Dilma Rousseff (PT) recebeu um telefone do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta segunda-feira. Ela queria parabenizá-la pela “vitória histórica” nas eleições deste ano. A diplomacia norte-americana informou que Obama elogiou o povo brasileiro “por sua fé e compromisso com a democracia". A informação é do portal UOL.

O presidente também destacou a relação entre Brasil e EUA, à qual classificou como excelente. Além disso, demonstrou interesse em aprofundar a cooperação e em explorar novas áreas de colaboração.

A nota indica ainda que Obama disse a Dilma que espera encontrá-la em breve e deseja que ambos trabalhem de modo conjunto em temas como energia limpa, crescimento global, reconstrução do Haiti, esforços de desenvolvimento colaborativo e "outros temas de importância global".

Leia a íntegra da nota abaixo:

Nota do Departamento de Estado

“Parabenizamos a presidente eleita Dilma Rousseff por sua eleição. Também parabenizamos os milhões de brasileiros que exerceram seu direito de votar, tanto no primeiro turno, em 3 de outubro, como no pleito final, dia 31 de outubro. Esse processo eleitoral exemplar mais uma vez ilustrou o respeito brasileiro de longa data pelo governo democrático, pelos direitos civis e pelas liberdades individuais, valores que ambos partilhamos. 

Aguardamos a oportunidade de trabalhar com a presidente eleita Dilma Rousseff para aprofundar nossa parceria e fazer avançar objetivos comuns que beneficiarão nossos povos e as Américas.”

Revista Consultor Jurídico, 2 de novembro de 2010, 11h47

Comentários de leitores

1 comentário

Que sirva de lição aos reacionários e preconceituosos

Armando do Prado (Professor)

"De acordo com Henrique Mariano, presidente da OAB-PE, a entidade está concluindo a reunião de provas contra a jovem que, ainda segundo a OAB, é paulistana e estudante de direito. Ela responderá pelos crimes de racismo e incitação pública de ato delituoso -- no caso, homicídio. O processo será entregue ao Ministério Público Federal. O crime de racismo, além de inafiançável, tem pena que varia entre dois e cinco anos de cadeia. Já o de incitação pública a delito varia de três a seis meses de detenção.
Caso a estudante faça estágio na área de Direito e tenha registro na OAB-SP, a OAB-PE entrará com um processo administrativo para cassar sua licença. "Como uma acadêmica de Direito promove um ato tão degradante?" questionou o presidente da OAB-PE".

Comentários encerrados em 10/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.