Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

União estável

Separado que viveu com outra mulher paga pensão

Um casal que divide a mesma casa sem ter efetuado o divórcio dos casamentos anteriores vive uma união estável. Com esse entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça determinou que um desembargador aposentado pague pensão equivalente a 8% dos seus proventos, além de dividir seus bens. Ele viveu 29 anos com a mulher e hoje, além de receber a aposentadoria, trabalha como professor universitário.

A ex-companheira entrou na Justiça com uma ação de reconhecimento e dissolução de sociedade de fato. Pediu pensão no valor de 30% sobre os proventos do desembargador e divisão dos bens adquiridos durante a união. Argumentou que ela parou de trabalhar quando passou a viver com ele, dedicando-se inteiramente ao lar, e que atualmente, com mais de 50 anos de idade, não tem mais condições de exercer qualquer função que produza renda para sua sobrevivência. O pedido foi parcialmente aceito em primeiro grau. A pensão foi fixada em 10% dos proventos.

Em apelação, o desembargador conseguiu reduzir esse percentual para 8%, mas a partilha dos bens foi mantida. Ainda insatisfeito, ele recorreu ao STJ. Pretendia anular a pensão ou reduzi-la para o percentual de 5%. Ao longo do processo, o recorrente alegou a inexistência da união estável porque tanto ele quanto a ex-companheira mantiveram-se casados com outras pessoas durante boa parte do relacionamento entre os dois. “Isso constituiria concubinato adulterino, e não união estável”, sustentou. Mas testemunhas confirmaram o relacionamento exclusivo a caracterizar verdadeira união estável, pública e duradoura, ressaltando que o desembargador encontrava-se separado, de fato, de sua primeira mulher.

Ele afirmou ainda que a ex-companheira havia tido comportamento indigno, tendo sido a responsável pelo fim da união. Essa situação, segundo sua argumentação, seria capaz de eximi-lo de pagar os alimentos, de acordo com o artigo 1.708, parágrafo único, do Código Civil de 2002. Para a ministra Nancy Andrighi, relatora do caso, o tribunal estadual não imputou qualquer procedimento indigno ou quebra dos deveres entre companheiros.

Para a ministra Nancy, o acórdão assegurou “à ex-companheira o direito de receber alimentos, com base na situação de dependência por ela vivenciada em relação ao recorrente, forte no artigo 7º da Lei 9.278/96, vigente na época do rompimento da união estável, reputando o percentual de 8% sobre os vencimentos do ex-companheiro, como suficiente para a manutenção e sobrevivência da recorrida”. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 23 de março de 2010, 11h07

Comentários de leitores

1 comentário

CUIDADO REVISTA TI TI TI

Manente (Advogado Autônomo)

DESTA FORMA, ESTA PARECENDO REVISTA DE FOFOCA!!!
BRINCADEIRA!!!
VAMOS DECIDIR!!!
OU PORTAL JURÍDICO, OU SEJA, REVISTA JURÍDICA OU SITE DE FOFOCA!!!

Comentários encerrados em 31/03/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.