Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tentativa frustrada

Ayres Britto nega liminar contra Lei da Ficha Limpa

O ex-presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, José Carlos Gratz (PSL), não conseguiu derrubar a Lei Ficha Limpa no Supremo Tribunal Federal. O ministro Ayres Britto negou o seu pedido. 

Gratz sustentou que a Lei da Ficha Limpa afronta decisão do Supremo na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamento 144, na qual os ministros da Corte decidiram que somente condenações definitivas podem gerar inelegibilidade de candidatos.

De acordo com o ministro, a reclamação é uma ferramenta processual para assegurar a competência das decisões da Corte Suprema. Portanto, não cabe usá-la com o intuito de inibir a edição de leis, mesmo que elas tenham conteúdo idêntico ao de outra já declarada inconstitucional pelo STF.

“Se a ação direta de inconstitucionalidade visa a defender os comandos constitucionais, porque sai em defesa da integridade normativa da Constituição, a reclamação sai em defesa, não da Constituição, mas do guardião da Constituição. É um processo subjetivo, e não objetivo, na medida em que guarda o guardião, nos dois pressupostos: para impedir a usurpação de competência do Supremo Tribunal Federal e para garantir a autoridade das nossas decisões”, afirmou o ministro em sua decisão.

Além disso, ele lembrou que no julgamento da ADPF 144 o Supremo não analisou a Lei Complementar 135/2010, que fundamentou a decisão do TSE questionada pelo ex-deputado. “O fato é que esta nossa Corte retomou a discussão quanto à aplicabilidade da chamada ‘transcendência dos fundamentos determinantes’, oportunidade em que cinco ministros externaram entendimento negativo à adoção desse transbordamento. De mais a mais, o Plenário deste Supremo Tribunal Federal já rejeitou a tese da eficácia vinculante dos motivos determinantes das decisões em ações de controle abstrato de constitucionalidade”, disse Ayres Britto. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Rcl 10.323

Revista Consultor Jurídico, 6 de julho de 2010, 17h58

Comentários de leitores

2 comentários

RESPEITO À OPINIÃO DO POVO!

Cláudio João (Outros - Empresarial)

Uma vergonha o tecnicismo exacerbado que ameaça tomar conta do STF, em detrimento do poder do povo. Do min. Gilmar poderíamos esperar, porém, do min. Toffoli, é decepcionante que não dê concretude ao clamor do povo que é o clamor dos comandados pela Constituição. O Min. Ayres Brito, também vindo do quinto-advocacia, é o ministro que mais tem negado aos que pretendem escapar pela janela do Ficha Limpa. Agindo assim, vem ao encontro de tudo o que o povo quer. Sabemos que os ministros são vitalícios, porém, deveriam descer do seu pedestal para verificar como suas decisões estão sendo mal recebidas pelo povo.

liminar negada

barbacena (Administrador)

Uma vez que o Min. Gilmar abriu precedentes o que é, diga-se de passagem, muito perigoso, todos agora estão tentando o mesmo caminho. É desreipetosa com o povo aquela decisão.

Comentários encerrados em 14/07/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.