Consultor Jurídico

Rede integrada

Piauí terá sistema de padronização de cartórios

O estado do Piauí passa a contar, a partir de 6 de abril, com o sistema de padronização de cartórios. O Sistema Integrado Nacional de Registro Civil (Sirc) será implantado por uma equipe de juízes do CNJ e representantes de Associações de Notários e Registradores.

Na segunda-feira (23/3), representantes dos ministérios da Justiça e do Planejamento, Orçamento e Gestão, estiveram reunidos na sede do Conselho, em Brasília, com os juízes auxiliares da Corregedoria Ricardo Cunha Chimenti e Salise Sanchotene para definir estratégias.

A ideia é padronizar e informatizar os cartórios de registro civil, que são responsáveis pela emissão de certidões de nascimento, óbito e de interdição.

Segundo o juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Ricardo Chimenti, o objetivo é oferecer mais segurança na emissão desses documentos e modernizar os cartórios. "A intenção é combater possíveis fraudes com um sistema mais preciso de comunicação”, explica Chimenti.

A implantação do Sirc no Piauí será feita com o apoio da Associação dos Notários e Registrados do Brasil (Anoreg), Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-BR) e associações de notários e registradores dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro.

De acordo com Chimenti, essas entidades vão levar ao Piaui recursos humanos e materiais, assim como os sistemas de informática necessários para instalação do projeto. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2009, 16h53

Comentários de leitores

1 comentário

QUE SEJA O PRIMEIRO PASSO.

Órion (Oficial de Justiça)

A padronização dos cartórios judiciais e extrajudiciais é uma solução para muitos dos problemas do Poder Judiciário e não sei o motivo de uma providência tão lógica e evidente não haver sido adotada há mais tempo. Mas antes tarde do que nunca. Entretanto, tal ação deve ser adotada também em todos os cartórios judiciais, que, se comparados pelo Brasil afora, veremos que em cada estado, em cada comarca, cada juiz, cada escrivão ou diretor adotam os métodos que mais se adaptam ao seus estilos de vida. Da mesma forma que a certidão de nascimento e o cadastro nacional do registro civil deve ser unificado, as práticas e procedimentos dos outros cartórios/varas/secretarias devem seguir o mesmo rumo. A tecnologia nos oferece soluções quase mágicas, permitindo, por exemplo, que todas as correspondências no âmbido do Poder Judiciário, incluíndo ai as Cartas Precatórias, passem a tramitar no meio eletrônico, proporcionando rapidez e economia. O Poder Judiciário precisa ser um só.

Comentários encerrados em 01/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.