Consultor Jurídico

Leilão em ação

STF suspende prisão de sócio da cervejaria Malta

O Supremo Tribunal Federal decidiu que a prisão civil só pode ser aplicada em casos de falta de pagamento de pensão alimentícia. Com esse entendimento, o ministro Carlos Ayres Britto suspendeu a prisão civil decretada contra o empresário Fernando Machado Schincariol, sócio da Cervejaria Malta. O empresário foi preso por conta de uma reclamação trabalhista, em curso na 2ª Vara do Trabalho de Assis (SP).

Britto aplicou precedente recente da Corte, no Habeas Corpus 95.170. O STF definiu que só é possível a prisão civil do “responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia” – a chamada pensão alimentícia.

A prisão de Fernando Schincariol foi resultado de problemas na venda de um caminhão. O empresário havia sido nomeado depositário de um caminhão Volkswagen 96/97 – avaliado em R$ 38 mil – penhorado nos autos da reclamação trabalhista. O bem foi arrematado em leilão, sem a inspeção prévia, por R$ 21 mil. Quando foi tomar posse, o arrematante informou ao juiz que o caminhão estaria em pior estado do que aquele descrito pelo edital, “inclusive com o motor fundido”.

O comprador do caminhão sustentou que não poderia arcar com despesa que não estivesse expressa na oferta, e que “o depositário não teria observado o zelo necessário ao encargo”. Com esse argumento, pediu à juíza que determinasse ao depositário que apresentasse o bem nas condições constantes no edital, ou que determinasse a prisão civil de Schincariol.

O empresário esclareceu que o motor realmente estava com problemas – devido ao desgaste natural, mas já estaria no conserto. Mas que não caberia a ele, como depositário, arcar com os custos do reparo. A juíza considerou que a atitude de Schincariol foi procrastinatória e “ofensiva”.

Como o empresário não teria demonstrado interesse em fazer os reparos necessários, a juíza determinou a apresentação do bem penhorado no estado em que se encontrava por ocasião da penhora. Como o empresário não atendeu aos pedidos da Justiça, a juíza decretou a prisão por 90 dias. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

HC 99203

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de maio de 2009, 18h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.