Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crimes ambientais

Rejeitado HC para diretor da empresa ALL

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou, por unanimidade, pedido de Habeas Corpus a Bernardo Vieira Hess, um dos dirigentes da empresa América Latina Logística, acusado de crime ambiental por exposição de tonéis contendo creosoto em níveis perigosos à saúde humana.

No Supremo, a defesa do empresário pediu a anulação de decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul em HC lá impetrado, sob a alegação de que os advogados de defesa não foram intimados da data do julgamento da causa, pois pretendiam fazer sustentação oral.

Os advogados pediram também o trancamento da ação penal por falta de individualização da conduta do acusado na denúncia (atos praticados pelo acusado que configuram a prática do crime) e inocorrência de dano ao meio ambiente.

O representante do Ministério Público, subprocurador-geral Wagner Gonçalves, sustentou que a simples publicação da previsão de julgamento já é suficiente para suprir o pedido de intimação solicitado pela defesa. Sustentou que quando o advogado é comunicado da data pelo magistrado trata-se de uma benesse, e não o cumprimento de uma imposição legal. Quanto ao trancamento da ação, o MP opinou pelo indeferimento do pedido, tendo em vista que o caso merece ser apreciado com maior profundidade pelo Judiciário, ou seja, que a ação penal deve ter continuidade.

Voto do relator
O relator, ministro Eros Grau, negou o pedido de nulidade da decisão do TJ-RS, sob o fundamento de que foram colocados no sistema de acompanhamento processual do tribunal, com antecedência de 48 horas, as informações sobre o julgamento, que se deu em 26 de abril de 2007. O ministro disse, ainda, que o meio de comunicação é compatível com a celeridade exigida no processo de HC.

O relator também rebateu o pedido de trancamento da ação. Segundo ele, “a denúncia descreve fato em tese delituoso”, alegou, citando o artigo 56 da Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais). Os responsáveis pela empresa América Latina Logística são acusados de causar poluição em níveis prejudiciais à saúde humana, além de armazenarem substâncias nocivas de forma irregular. De acordo com a denúncia, foram encontrados alguns tonéis sem tampa e outros virados com a substância no solo. Eros Grau também lembrou que quando uma empresa (pessoa jurídica) comete crimes ambientais, cabe aos seus dirigentes responder pelo ocorrido. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

HC 94.842

Revista Consultor Jurídico, 27 de maio de 2009, 14h07

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.