Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova gestão

Associação de Juízes para a Democracia elege conselho

Por 

A Associação de Juízes para a Democracia elegeu novo conselho para a entidade. Conforme prevê seu estatuto, os novos membros devem gerir a AJD por dois anos. Luis Fernando Vidal, que já fez parte do Conselho, mas o preside pela primeira vez, afirmou que o novo grupo inicia sua gestão com a preocupação em aprofundar-se nos compromissos institucionais da AJD.

As frentes de trabalho da entidade estão na preocupação em manter um diálogo próximo e aberto com movimentos sociais e também atentar-se para a questão da prestação de serviço do Judiciário. "Não pode haver democracia se não tiver respeito às minorias. É preciso trabalhar junto destes grupos para que eles sejam partícipes dos processos políticos", afirma o presidente.

Um exemplo da ação da AJD foi durante uma operação da Polícia Militar em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. Em conjunto com outras entidades, os membros visitaram o bairro por denúncias de violação do direito e abusos contra a população durante conflitos entre policiais e traficantes de drogas. " O objetivo é dar protagonismo ao cidadão e também aprender mais sobre a realidade destas minorias", afirma Vidal.

Em relação aos assuntos institucionais do Judiciário, Vidal acredita ser um bom momento para reflexão, por conta do papel ativista que o Supremo assume junto com uma reforma em andamento. "Estamos em bom momento para refletir sobre as Súmulas Vinculantes, pois já se tem experiências possíveis para uma análise, além da refletir acerca da permanência vitalícia dos juízes no Supremo". Outro ponto que a Associação pretende se debruçar é na ideia de um novo estatuto do Judiciário para garantir a prestação de serviço público da Justiça, mecanismo de escolha dos dirigentes e organizações dos tribunais

Conheça os novos membros do Conselho:
Luis Fernando Camargo de Barros Vidal (São Paulo) - presidente do Conselho Executivo
Kenarik Boujikian Felippe (São Paulo) - secretária do Conselho Executivo
Dora Aparecida Martins de Morais (São Paulo) - tesoureira do Conselho Executivo

Alessandro da Silva (Santa Catarina)
Celso Luiz Limongi (São Paulo)
Eudes dos Prazeres França (Pernambuco)
Rubens Roberto Rebello Casara (Rio de Janeiro)

Suplentes:
Marcos Pimentel Tamassia (São Paulo)
Maurício de Andrade Salles Brasil (Bahia)
Rafael Gonçalves de Paula (Tocantins)

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 1 de junho de 2009, 16h41

Comentários de leitores

1 comentário

Data venia

JA Advogado (Advogado Autônomo)

Há tantos políticos e tantos "movimentos sociais" defendendo as minorias que soa estranho ver juízes de Direito fazendo o mesmo, sobretudo quando percebemos que isso não faz parte de suas atribuições funcionais. E mais ainda quando lemos que o judiciário tem 70 milhões de processos pendentes de julgamento. Data venia.

Comentários encerrados em 09/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.