Consultor Jurídico

Sem descanso

Liminar fixa limites para jornada na Tetra Pak

Coagir os funcionários a trabalhar excessivamente, sem descanso mínimo de 24 horas consecutivas, é uma prática nefasta e com prejuízos sociais irreparáveis. Com esse entendimento, a juíza da Vara do Trabalho de Capivari, Alzeni Aparecida de Oliveira Furlan, deu liminar favorável a 700 trabalhadores da fábrica de embalagens Tetra Pak, na cidade de Monte Mor (SP). No mérito, o Ministério Público do Trabalho pede também multa R$ 1 milhão por dano moral coletivo.

A juíza obrigou a fábrica a fornecer condições mínimas de trabalho. A Tetra Pak ficou obrigada a não submeter os empregados a regime de trabalho extraordinário superior a 2 horas diárias sem justificativa legal, a conceder intervalo mínimo de 11 horas consecutivas para descanso entre duas jornadas, a conceder aos empregados descanso semanal de 24 horas consecutivas, a conceder intervalo para repouso ou alimentação de, no mínimo, 1 hora— em trabalhos que excedam 6 horas — e a registrar corretamente os horários de expediente dos funcionários.

A juíza Alzeni Aparecida ressaltou, em sua decisão, que a Tetra Pak passou dos limites razoáveis. “Causa indignação o fato de a ré, empresa de grande expressão econômica, repugnar as determinações legais e, após anos de tentativas de adequá-la a norma, com investidas do Ministério do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho, manter-se, inarredável, na prática nefasta de impor aos seus colaboradores, jornada extraordinária além dos limites considerados razoáveis”.

Para fundamentar a decisão, a juíza se valeu dos documentos apresentados pela procuradora do Trabalho Cláudia Marques de Oliveira. Cláudia levou à juíza, relatórios de fiscalizações feitas in loco por auditores fiscais do Trabalho. Antes, o MPT tentou um acordo extrajudicial, recusado pela Tetra Pak.

No texto da liminar, a juíza afirmou que “a vista do quanto exposto, decido deferir a liminar, pois a todos é obrigatório o cumprimento da legislação, principalmente em se tratando de normas de proteção do trabalho humano, cujo descumprimento traz graves consequências à saúde e à vida dos trabalhadores, e prejuízo social irreparável”.

O descumprimento da decisão implicará multa diária no valor de R$ 5 mil por empregado e para cada violação. Ou seja, no total, a Tetra Pak está sob ameaça de multa de R$ 3,5 milhões por dia.

O caso
O MPT recebeu representação formulada sob sigilo em abril de 2005. A denúncia afirma que os empregados trabalhavam em turnos ininterruptos, com a exigência de prestação de horas extras em excesso e com a orientação de bater o ponto de saída e permanecer na empresa. Também eram obrigados a trabalhar em feriados e finais de semana, sem paradas, além de sofrer coação mediante ameaças de dispensa.

A fiscalização do Trabalho, a pedido do MPT, compareceu na indústria para verificar a veracidade da denúncia, e constatou diversas irregularidades quanto à jornada de trabalho – entre elas, falta de registro ponto, ausência de intervalos para descanso e jornada excessiva. Com informações da Assessoria de Imprensa da Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2009, 15h18

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.