Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Rock da toga

Rock: desembargador Xavier de Aquino se apresenta no Tom Jazz

Por 

O desembargador José Carlos Gonçalves Xavier de Aquino é sóbrio e sereno quando está presidindo as sessões da 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo. Mas, no fim do expediente, quando pendura a toga, ele se transforma no irreverente guitarrista Zeca Aquino, da banda Rockfeller.

Adepta do rock clássico, o grupo lançou recentemente o seu primeiro disco. As duas primeiras músicas de trabalho já estão tocando nas rádios. O videoclipe da música Conversa de Bêbado, que traz a participação especial do cantor Seu Jorge, está passando inclusive na MTV — Clique aqui para assistir.

A outra canção é Todos Estão Surdos/Sua Estupidez, uma regravação do clássico de Roberto Carlos, que ganhou uma roupagem moderna na versão da Rockfeller. Uma das músicas do conjunto também foi escolhida para ser tema da novela Revelação, que entra no ar no STB este mês. As influências do grupo variam do classic rock dos anos 1970 ao som de Tim Maia. Segundo a banda, o álbum passeia ainda pelos mais variados ritmos como reggae, dance music, soul e samba, com pitadas de Jovem Guarda.

Dividido entre os processos e a guitarra, a agenda de Aquino está atribulada. Este mês, a banda já tem quatro shows marcados. O próximo acontece na segunda-feira (13/10), no Tom Jazz, em São Paulo. “É uma casa muito intimista. Tem muito contato com o povo”, disse o desembargador à revista Consultor Jurídico ao comentar sua expectativa para o show. O grupo contará ainda com a participação especial do cantor Mauricio Manieri e do baterista Dudu Braga, filho de Roberto Carlos.

A platéia também estará estrelada com personalidades do mundo artístico, político e jurídico. Entre os fãs de carteirinha da banda, Aquino cita o deputado Marcelo Itagiba, da CPI dos Grampos, os advogados Antonio Meyer, José Augusto Mariz de Oliveira e Manuel Alceu Affonso Ferreira e o cantor Seu Jorge.

Com o baterista Norival D’Angelo, o baixista Mauricio Brotinho e o guitarrista Durval Rodrigues, a banda Rockfeller está na estrada há 10 anos. Zeca Aquino entrou no grupo em 2004. Segundo os integrantes da banda, foi a sua presença que impulsionou o lançamento do primeiro disco.

No entanto, a história de Aquino com a música é anterior à sua vida no Direito. Fã dos Beatles, em 1965, ele formou seu primeiro conjunto de rock, o Álamos. A banda é citada no Almanaque do Rock como um dos pioneiros do gênero no Brasil. “Sou músico primeiramente. É influência da família. Minha avó foi cantora lírica e meus tios eram da Orquestra Municipal de São Paulo”, conta.

Três anos depois, Aquino fez parte do grupo Galaxys, que emplacou alguns sucessos. “Nessa época, cheguei a tocar com o Roberto. Também tenho músicas com o Vitor Martins, o Ivan Lins”.

Quando cursava a Faculdade de Direito, o guitarrista concorreu, em 1972, no Festival Universitário da Canção Popular Brasileira, da TV Tupi. Com a música Toada, levou o segundo lugar.

Antes de entrar na magistratura, Aquino foi membro do Ministério Público. Nessa época, abandonou a carreira de músico. “O Poder Judiciário é muito conservador. Por isso, abandonei a carreira. Mas, cheguei a gravar algumas músicas com pseudônimos como Zé Causídico ou Cacaso”, lembra o desembargador.

Como está próximo do fim da carreira jurídica — em abril do ano que vem, ele já pode se aposentar —, Aquino decidiu voltar à música. “Juiz é gente, tem sentimento e faz a mesma coisa que os outros. Apesar de alguns pensarem que juiz só fala com Deus, quando Ele precisa de conselho”, ironiza.

Os colegas, no entanto, viram com bons olhos a sua carreira paralela. Tanto que este ano ele é um dos concorrentes ao Prêmio Innovare por ajudar a aproximar o Judiciário da população.

Agenda da banda Rockfeller

Tom Jazz — 13 de outubro

Avenida Angélica, 2331 — São Paulo

Tel.: (11) 3255-0084 — 3255-3635

Dunluce Irish Pub — 24 de outubro

Praça Gastão Vidigal, 4 — São José dos Campos

Tel.: (12) 3921-0565

All Black Irish Pub — 25 de outubro

Rua Oscar Freire, 163 — São Paulo

Tel.: (11) 3088-7990

Mercearia Jokey Club — 30 de outubro

Rua José Augusto de Queiroz — Portão 1 — São Paulo

Tel.: (11) 3815-8664

Nota da redação

Notícia alterada às 20h04, de quinta-feira (9/10/08), para correção de informação. A ConJur publicou a expressão beca quando, na verdade, referia-se a toga.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de outubro de 2008, 17h26

Comentários de leitores

6 comentários

O conjur consertou a ambigüidade... colocou uma...

Rodrigo (Advogado Assalariado - Trabalhista)

O conjur consertou a ambigüidade... colocou uma letra maiúscula. Ponto para Eles.

Momento retórica. In verbis: "Apesar de alguns...

Rodrigo (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Momento retórica. In verbis: "Apesar de alguns pensarem que juiz só fala com Deus, quando ele precisa de conselho”. Quem precisa de conselhos: o juiz ou Deus? Esses pronomes ainda causarão um debate religioso...

À Banda Rockfeller meus sinceros votos de suce...

Xavier da Silveira Lucci (Servidor)

À Banda Rockfeller meus sinceros votos de sucesso sempre crescente e, especialmente, ao "Jus Guitarrista" Zeca Xavier de Aquino que dá um belo exemplo de que o magistrado também tem o direito de se descontrair através da expressão "artístico-rockeira" !!! Abração a toda Banda! Edson Xavier da Silveira Lucci

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.