Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reserva de vagas

Câmara dos Deputados aprova cotas em universidades federais

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (20/11), o Projeto de Lei que reserva 50% das vagas em instituições federais de ensino superior para alunos que cursaram os três anos do ensino médio em escola pública. O projeto segue para votação no Senado. As informações são da Agência Câmara.

A proposta, de autoria da deputada Nice Lobão (DEM-MA), recebeu emenda que destina metade dessas vagas (25% do total) para estudantes pertencentes a famílias com renda até R$ 622,50(1 salário mínimo e meio). Os outros 25% serão para negros, pardos e indígenas.

Desses 25%, o número de vagas para cada etnia será divido conforme a sua representação no estado em que está localizada a instituição, ou seja, se a porcentagem de indígena for a maior, esse grupo terá o numero de vagas maior. Os dados serão baseados no último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

As faculdades federais deverão cumprir a implantação total em quatro anos. O texto faculta as cotas para as instituições privadas.

Para os alunos cotistas, o vestibular fica extinto. As universidades públicas deverão selecionar os estudantes do ensino médio em escolas públicas tendo como base o coeficiente de rendimento, obtido através de média aritmética das notas ou menções obtidas no período, considerando-se o currículo comum a ser estabelecido pelo Ministério da Educação.

Segundo o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, o projeto de lei tem um conteúdo de justiça social em relação a etnias. Na votação, a deputada Nice Lobão apontou que deveria ser extinto o vestibular para todos os estudantes, mas ela mesma reconheceu que a proposta não era viável.

Pelo projeto aprovado, as cotas também devem ser aplicadas às escolas públicas de curso técnico, no nível médio. Na seleção, deverá ser reservado 50% de vagas para alunos que cursaram o ensino fundamental em escola pública (metade para negros, indígenas e pardos). Após dez anos, o Poder Executivo deverá revisar o programa.

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2008, 19h50

Comentários de leitores

13 comentários

Devemos aprovar cotas nos concursos públicos, p...

analucia (Bacharel - Família)

Devemos aprovar cotas nos concursos públicos, por exemplo para pessoas com renda familiar de até dois salarios minimos mensais.

HOMESTAMENTE, não foi dia da conciencia negra e...

ca-io (Outros)

HOMESTAMENTE, não foi dia da conciencia negra e sim, pelas descriminações que ja passei, e história de antepaçados, foi dia DO LUTO NEGRO.

Tem mais, distribuir marmitex não é tirar povo ...

ca-io (Outros)

Tem mais, distribuir marmitex não é tirar povo fa miséria. Quando criança enquanto travalhava de dia e estudava a noite, eu era idiota, não divertia, não fumava, não conhecia a escalação da seleção de jogadores brasileiros, a dita seleção "brasileira". Realmente fui e sou idiota, alem de toda essa parafernalha ta vindo aí o perdão a devedores. Tenho medo de comentar mais, chega.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.