Consultor Jurídico

Acidente de trabalho

Falta de prova de dano faz TST livrar empresa de indenizar

A empresa Liquigás Distribuidora se livrou de pagar indenização por danos morais por causa de um acidente de trabalho sofrido por um ajudante de caminhão. A decisão foi tomada pelo ministro Ives Gandra Martins, da 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho. O ministro reformou decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) por entender que não ficou comprovada a culpa da empresa no acidente nem a ocorrência do dano moral.

O ajudante foi admitido em 1987. Em julho de 1991, ao fazer uma entrega de emergência numa residência, escorregou em madeiras úmidas e torceu o joelho direito quando carregava um botijão de gás sobre as costas. O acidente, conforme alegou, ocasionou um trauma de caráter definitivo. Segundo laudo médico, o empregado sofreu lesão no menisco, e necessitou de tratamento cirúrgico. Esse fato redundou na perda de capacidade de trabalho para a função que exercia.

Na reclamação trabalhista, o empregado afirmou que, mesmo após o acidente, por exigência da empresa, continuou a trabalhar até a época da cirurgia (45 dias). E isso agravou a lesão sofrida no joelho. Ainda assim, a empresa o demitiu em outubro de 1991.

Inconformado, principalmente pelo fato de ter sido demitido quando ainda estava licenciado de suas atividades, o empregado ajuizou a reclamação com o objetivo de ter reconhecido o acidente de trabalho e ser indenizado pela demissão injusta. Alegou que estava em gozo de estabilidade acidentária.

A Vara do Trabalho de Araucária (PR) negou os pedidos e absolveu a empresa do pagamento de quaisquer verbas, o que levou o empregado a recorrer ao TRT-PR. No tribunal, a empresa foi condenada a pagar o equivalente a 25% da última remuneração, até que o trabalhador completasse 65 anos de idade e indenização de R$ 30 mil pelo acidente de trabalho.

A Liquigás recorreu da decisão no TST buscando revertê-la. A 7ª Turma, ao analisar o Recurso de Revista, entendeu que a empresa não pode ser obrigada a arcar com indenização por dano a que não deu causa, pois não restaram comprovados no processo os elementos evidenciados da responsabilidade civil, ou seja, a existência de culpa (responsabilidade subjetiva) e a ocorrência efetiva do dano moral. “Para o dano moral, seria necessário verificar a repercussão da lesão na imagem, honra, intimidade e vida privada do indivíduo”, observou o ministro Ives Gandra.

“As seqüelas de um acidente ocorrido ou de uma doença adquirida no trabalho podem comprometer a imagem da pessoa, dificultar-lhe o desenvolvimento de sua vida privada, infligindo-lhe sofrimento psicológico ligado a bens constitucionalmente protegidos. Nesse caso, e por esse fundamento, a lesão merecerá uma reparação além daquela referente ao dano material sofrido. Do contrário, as indenizações se confundiriam”, concluiu o ministro.

RR-99.528/2005-654-09-00.2




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de março de 2008, 11h37

Comentários de leitores

1 comentário

Sabia decisão provando mais uma vez que ...

Antonio Diniz (Psicólogo)

Sabia decisão provando mais uma vez que a justiça do trablho ás vezes funciona... Não que seja contra que alguem reclame o que de direito lhe for devido, mas no caso em questão configura-se claramente a pretenção do chamado enriquecimento ilícito.... E provavelmente mau orientado ou sucumbindo-se á pretensão de algum dos chamdos ´PORTA DE CADEIA`o reclamante impetrou a ação...Ou mesmo até ele próprio, pelos seus meios.... Pois existem inumeros reclamantes que fazem da justiça do trabalho a industria da mentira, e por infelicidade a própria justiça trabalhista é a unica que não vê.... Legislação ultrapassada? advogados mau intencionados amparados por certa impunidade? Empresários desonestos? ... Se algo não mudar, inumeros casos semelhantes serão deferidos em qualquer instancia, e decisões como esta passarão desapercebidas pois neste país o tendencionismo impera na atual justiça (?) do trabalho....

Comentários encerrados em 13/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.