Consultor Jurídico

Inversão do ônus

Banco deve provar que bens não estavam em cofre furtado

O banco é o responsável por provar que bens listados pelo cliente não estavam em cofre furtado. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Por maioria de votos, o STJ negou o recurso do Banco do Estado de São Paulo (Banespa). Os ministros consideraram que a relação de locação de cofre em banco é regida pelo Código de Defesa do Consumidor.

O STJ aplicou o princípio da inversão do ônus da prova num caso de furto de bens guardados em cofre do banco, em 2001. A decisão beneficiou um casal de poloneses que, depois de sofrer o furto, pediu na Justiça indenização por danos morais e materiais. O valor dos bens listados alcançava R$ 268 mil, referentes a jóias de família, 800 gramas de ouro e US$ 9 mil.

Em primeira instância, foi julgado procedente apenas o dano moral, estipulado em R$ 75 mil. O juízo concluiu que não foi comprovada a existência dos bens. Em segunda instância, a decisão foi mantida.

Para a ministra Nancy Andrighi, o reconhecimento da ocorrência do dano moral e sem o dano material seria um contra-senso. Ela entendeu que a existência das jóias estava comprovada, pois no processo constaram fotografias das jóias e o depoimento de funcionária de uma joalheria confirmando a existência das peças.

De acordo com a ministra, pelo padrão de vida do casal estrangeiro, a existência de ouro e dólares não se mostrou absurda. A ministra ainda ressaltou que o banco não recorreu do valor apresentado pelo casal. Os ministros Massami Uyeda e Sidnei Beneti votaram com a relatora. Além dos danos materiais no valor pedido pelo casal, o banco terá de pagar danos morais de R$ 75 mil, valores que devem ser corrigidos desde a data do furto, ocorrido em 2001.

Já o ministro Ari Pargendler divergiu de Andrighi. Ele julgou procedente o recurso apenas para garantir o ressarcimento dos valores referentes ao dano moral e às jóias. Quanto ao ouro e aos dólares, o ministro afirmou que não ficou comprovada a existência, embora a comprovação desses bens fosse possível, já que passíveis de declaração de Imposto de Renda.

REsp 974.994




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de junho de 2008, 11h09

Comentários de leitores

1 comentário

No meu entender ACERTOU A Ministra Nancy que, v...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

No meu entender ACERTOU A Ministra Nancy que, via de regra profere excelentes decisões. Outro dia saiu um pouco da sua rotina de ótimas decisões e cometeu um grave deslize, mas parabéns neste caso em tela. ENFIM ALGUM MAGISTRADO APLICA NÃO SÓ A LEI 8.078/90 COMO, E MUITO MAIS IMPORTANTES, SEUS PRINCÍPIOS, COISA QUE POUCOS (ISSO MESMO POUCOS) MAGISTRADOS CONHECEM. Carlos Rodrigues Pós-Graduado em Direito do Consumidor berodriguess@yahoo.com.br

Comentários encerrados em 25/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.