Consultor Jurídico

Responsabilidade objetiva

Estado indeniza pais de jovens mortos sob custódia da Polícia

A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça aumentou para 500 salários mínimos o valor da indenização por danos morais concedida para os pais de dois jovens de 18 anos que, sob custódia da Polícia Militar de Minas Gerais, foram brutalmente assassinados. A primeira instância fixou a reparação em 50 salários mínimos. Esse valor, no julgamento da apelação, foi majorado para R$ 40 mil pelo Tribunal de Justiça e Minas Gerais.

De acordo com o processo, os rapazes foram presos sem justificativa plausível, algemados e agredidos depois do furto de uma bicicleta da casa de um policial aposentado. Não havia flagrante delito ou mandado judicial expedido pela autoridade competente.

A prisão não foi comunicada à autoridade judicial ou à família. Ao invés de garantir o retorno dos detidos para casa, a Polícia sustentou que simplesmente os liberou e não tinha idéia de como os corpos dos dois foram encontrados com tiros na cabeça e marcas de bota nas costas em um matagal do interior de Minas Gerais às margens da BR-120, no município de São Geraldo. Os fatos aconteceram em maio de 1994.

A Justiça de Minas Gerais considerou a existência de diversas contradições nos depoimentos prestados pelos policiais que prenderam os rapazes. O juiz constatou que, contrariando o laudo de corpo de delito que acusou ferimentos nos pulsos das duas vítimas, os agentes negaram o uso de algemas. Dessa maneira, ficou caracterizado o nexo causal entre a conduta dos agentes públicos e o resultado danoso, o que leva à responsabilização objetiva do Estado.

O valor da indenização por danos morais fixado pelas instâncias ordinárias está sujeito ao excepcional controle no Superior Tribunal de Justiça quando se revelar exorbitante ou irrisório. O relator, ministro Herman Benjamin, considerou que o valor fixado na instância ordinária deveria ser aumentado porque estava “caracterizada a especial gravidade dos fatos e de suas trágicas conseqüências, decorrência da atuação violenta e criminosa de agentes do Estado, pagos pelo contribuinte para defender a sociedade e não para aterrorizá-la”. O Estado deverá pagar 250 salários mínimos para os pais de cada um dos dois jovens assassinados.

REsp 617.131




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de dezembro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

1 comentário

É altamente elogiável e corajosa, alem de respo...

José Brenand (Outros)

É altamente elogiável e corajosa, alem de responsável a tomada de atitude da Justiça, representada pela Justiça mineira, ao condenar o Estado de Minas, a indenizar os pais desses jovens pela estúpida, e covarde atitude de alguns policiais militares, ao ceifarem a vida dos jovens. O Estado, deva zelar pela vida com segurança, saúde , educação, moradia e educação de seu povo, o que não tem ocorrido.

Comentários encerrados em 02/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.