Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fruto proibido

Juiz impede Playboy de usar fotos com temas religiosos

Por 

A Editora Abril está proibida de reutilizar a foto da atriz Carol Castro, que aparece nua na revista Playboy, segurando um terço. A determinação é do juiz Oswaldo Freixinho, da 29ª Vara Cível do Rio de Janeiro. O juiz ressaltou que a discussão agrega conflitos de interesses constitucionalmente protegidos como da liberdade jornalística, artística e religiosa. Por isso, deixou claro que a intenção não é retirar as revistas da bancas, mas apenas impedir que modelos usem símbolos religiosos. Motivo: proteger o sentimento religioso dos fiéis.

“Cabe ao magistrado, em sede de tutela antecipada, ponderar os interesses de direitos difusos, para não tolher o livre acesso do cidadão à qualquer tipo de informação, com ingerência na sua vida privada ou violando a privacidade, assim como proteger o sentimento religioso”, afirmou.

O pedido, para que a revista não veiculasse a foto, foi ajuizado pelo Instituto Juventude pela Vida juntamente com um padre chamado Lodi. O advogado Ricardo Brazterman, que representou o instituto, disse à revista ConJur que a tutela antecipada concedida pelo juiz atendeu exatamente o que foi pedido. Ou seja, apenas impedir a reutilização da foto de Carol Castro e de outros futuros ensaios fotográficos feitos pela revista com motivos religiosos.

O juiz Oswaldo Freixinho destacou, também, que o Judiciário não pode atuar de forma arbitrária, no recolhimento dos exemplares que já estão à venda, mas, em contrapartida, “pode evitar o atingimento do mencionado sentimento religioso da comunidade cristã, até porque nenhum, ou pouco, prejuízo irá ser imposto à editora-ré, com a subtração de uma só foto”.

A defesa de Editora Abril, representada pelo advogado Alexandre Fidalgo, do escritório Lourival J. Santos, informou que o jurídico da editora ainda não foi intimado nem citado sobre a decisão.

Leia a decisão

Processo 2008.001.251383-5

1. Alinha a autora, na peça de ingresso, o vilipêndio de símbolo religioso, utilizado em foto de nudez, através de revista de grande circulação, para adultos, lançada pela editora-ré.

2. Os aspectos enfocados integram conflitos aparentes de interesses constitucionalmente protegidos, na seara da liberdade jornalística, artística e religiosa.

3. Cabe ao Magistrado, em sede de tutela antecipada, ponderar os interesses de direitos difusos, para não tolher o livre acesso do cidadão à qualquer tipo de informação, com ingerência na sua vida privada ou violando a privacidade, assim como proteger o sentimento religioso.

4. Com efeito, não pode atuar o Judiciário de forma arbitrária, no recolhimento dos exemplares que se encontram nos estabelecimentos de venda, por isso que já estão disponibilizados para o público, em geral, até porque não atingida, em princípio, a integridade moral dos jurisdicionados, cuja faceta integra a fase probatória.

5. Em contrapartida, deve evitar-se o atingimento do mencionado sentimento religioso da comunidade cristã, até porque nenhum, ou pouco, prejuízo irá ser imposto à editora-ré, com a subtração de uma só foto.

6. Pelo talhe do exposto, considero que presentes, em parte, os pressupostos autorizativos, por isso que DEFIRO, PARCIALMENTE, A TUTELA ANTECIPADA, para determinar à ré abstenha-se de distribuir novas revistas com a foto impugnada, sob pena de multa diária de R$1.000,00.

7. Cite-se e intime-se, com cópias da exordial e desta decisão, cuja diligência deve ser cumprida em até 72 (setenta e duas horas).

8. Publique-se.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 26 de agosto de 2008, 15h16

Comentários de leitores

23 comentários

Depois falam mal dos muçulmanos. O Irã é aqui.

Hamilton Magalhães (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

Depois falam mal dos muçulmanos. O Irã é aqui.

O filósofo Soren Kierkegaard já dizia que o hom...

Mauro (Professor)

O filósofo Soren Kierkegaard já dizia que o homem é uma intersecção entre o tempo e a eternidade. Esta complexa afirmação é plenamente compatível com Eclesiastes 3.10-11, por exemplo. Mas os dogmáticos confundem tempo com eternidade tendo plena convicção de que dogmas humanos criados para atender a interesses escusos vieram diretamente do trono de Deus. Quanta ingenuidade!! Um crucifixo é apenas um pedaço de pau ou de qualquer material que for feito. Não confundam as coisas. E o bando de oficiais religiosos dogmaticamente e desnecessariamente proibidos de usufruir do amor, ficaram horrorizados ao abrirem a revista que usam toda semana. Quanta hipocrisia!!

Mais uma pérola dos crentalhões. Qual a relação...

Rodolfo (Advogado Autônomo)

Mais uma pérola dos crentalhões. Qual a relação entre nudez e religiosidade? A religioso preocupado com isso não compra Playboy. Será que algum padre ia se sentir ofendido? O que dizer dos bordéis ao lado de templos e igrejas? E as prostitutas que fazem ponto na porta de igrejas, como as da Pça João Mendes em São Paulo, aliás, mando um beijo para cara de bolacha que está sempre por lá...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.