Consultor Jurídico

Síndrome do pânico

Fausto De Sanctis diz que preocupação com grampos é folclórica

O juiz da 6ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo, Fausto Martin De Sanctis, classificou a preocupação das autoridades e da população em geral com os grampos como excessiva e folclórica. Ele prestou depoimento, nesta terça-feira (12/8), à Comissão Parlamentar de Inquérito das Escutas Telefônicas da Câmara dos Deputados. A informação é do site Folha On Line

“Todo mundo acha hoje que está sendo monitorado. O que é isso? Síndrome do pânico? Vamos parar com isso. Eu acho que muito disso é folclórico e uma tentativa de acabar com o que está funcionando. Eu não posso acreditar que seja assim”, disse ele aos deputados.

De Sanctis afirmou que a solução para coibir os grampos ilegais no país virá quando a Polícia contar com melhores condições de investigação. Ele atacou as propostas para mudar a legislação atual. “Não é com a reforma da lei que se combaterá monitoramentos clandestinos, que são fora da lei. O que vai combater o monitoramento clandestino é operacionalizar a Polícia, o Ministério Público, cobrar desses órgãos tudo isto para que se invista contra monitoramento clandestino”, afirmou.

No seu depoimento à CPI, o juiz federal destacou que na 6ª Vara 842 inquéritos estão em andamento – apenas 21 deles com interceptações telefônicas.

O juiz classificou como exemplo de prudência o caso envolvendo o doleiro Antônio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona. Conforme De Sanctis, as investigações começaram em 1996 e apenas em 2002 o uso de escutas foi autorizado.

Outro número destacado no depoimento do juiz federal é que 12,82% dos inquéritos sem interceptação terminaram em ações penais. Já nos inquéritos apoiados pelo uso de grampos, 41,67% se transformaram em ações.

Sem portas fechadas

Ao contrário da expectativa de alguns deputados, De Sanctis recusou-se a detalhar como ocorreram as investigações da Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

Ele evocou a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), que impede o juiz de manifestar opinião sobre processo ainda sem julgamento ou ainda qualquer juízo depreciativo sobre despachos judiciais. Assim, recusou a proposta do presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), para fazer uma reunião fechada.

“Eu desejo humildemente prestar esclarecimentos sobre tudo o que é falado sobre escutas telefônicas, mas não vou fazer reunião reservada porque tenho que me manter coerente com tudo o que já falei. Não é um desrespeito ao Congresso Nacional, mas o que é sigilo, o é por natureza e não há por que falar”, ponderou o juiz federal.

Quanto ao vazamento de informações sigilosas da Operação Satiagraha, o juiz federal os atribuiu à ação dos advogados dos investigados. Ele também negou que tenha concedido o uso de senhas próprias da Justiça para que a Polícia tivesse acesso aos dados cadastrais das empresas de telefonia.

De Sanctis explicou que a autorização sempre é dada para investigação específica e que há um registro dos conteúdos acessados com a respectiva senha. “Quando o policial acessa dados cadastrais em um sistema de computação, necessariamente, fica registrado”.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de agosto de 2008, 18h18

Comentários de leitores

29 comentários

Des.Jones Figueiredo: O Juizado Especial Cível,...

Chiquinho (Estudante de Direito)

Des.Jones Figueiredo: O Juizado Especial Cível, que tem competência para conciliar e julgar causas cíveis de menor complexidade, cujos valores não excedam a mais de quarenta salários mínimos, infelizmente não está cumprindo sua missão jurisdicional estabelecida pela Lei Federal n.º 9.099/95. Há anos estou com dois TÍTULO DE EXECUÇÃO JUDICIAL - DESCUMPRIMENTO DE SENTENÇA (processo n.º 05424/2007) e um TÍTULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL (processo n.º 04586/2007), parados no Juizado Especial Cível da Boa Vista, a apesar das minhas tantas idas até lá mensalmente para resolvê-los. O primeiro, infelizmente, me pôs no ÍNDEX dos “fichas sujas” do SPC e do SERASA, trazendo-me enorme prejuízo junto à Caixa Econômica Federal, onde há muito pleiteio um FIES para custear minha GRADUAÇÃO JURÍDICA. Sou VOLUNTÁRIO na 12ª VARA CÍVEL DA CAPITAL, que considero uma extensão da minha família, tamanha a harmonia, o respeito a sintonia que existem entre nós, funcionários e voluntários. Lá, todos me amam e eu, a todos. Só pelo fato de ter conhecido um dos JUIZ TITULAR e uma das SECRETÁRIA mais sérios, honestos, respeitosos, competentes e trabalhadores de todo aquele FÓRUM, já me bastam para me sentir humanamente realizado e continuar acreditando na JUSTIÇA. Por ter V. Exa. meritoriamente assumido a presidência do TJPE, segundo menciona em seu discurso de posse, com o compromisso de reduzir as injustiças tão nocivas à população mais carentes e que procuram O juizado Especial Cível para pôr um fim às suas demandas. Torço para que V. Exa., cuja excelência e saber jurídico tanto honra o meio acadêmico, tenha êxito na sua empreitada no TJPE, transformando-o no bálsamo do PODER JUDICIÁRIO, sempre visando à população carente. Cícero Tavares de Melo (chiquinhoolen@yahoo.com.br).

Eis aí uma verdade jesuita. É excessiva sim ess...

João Augusto de Lima Lustosa (Advogado Sócio de Escritório)

Eis aí uma verdade jesuita. É excessiva sim essa preocupação, assim como é preocupação excessiva com o inevitável. A morte é inevitável. Seria excessivo a preocupação com ela, porque o excesso levaria todos à ansiedade por sua causa e ao suicidio. A gravação é um processo inerente à tecnologia digital. Ela é inevitável e, por isso, como ocorrer excesso de preocupação se ela já é normal? Com razão o jesuita de Sanctis. O depoimento do Daniel Dantas tem tanta gravação reportada por ele, que não há porque haver excesso de preocupação com elas. São fatos da vida ainda não absorvidos. O conselho para quem se preocupa com isso é criar pombos correio, a mídia mais antiga, confidencial e eficiente de que se tem notícia.

O Conjur está de parabéns por colocar os exatos...

futuka (Consultor)

O Conjur está de parabéns por colocar os exatos acontecimentos relacionados a matéria curta e grossa. Apesar de concordar que é preciso estar atentos aos grampos clandestinos, comungando também de que a policia precisa ter melhores aparatos investigativos(o quanto mais melhor), não entendi o que quis dizer o: EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA 6ª VARA CRIMINAL DA JUSTIÇA FEDERAL DE SÃO PAULO, FAUSTO MARTIN DE SANCTIS (..Ufa..)quando muito 'vigilante' conclui uma das muitas frases em seu depoimento a 'cpi do grampo' dizendo: "...excessiva e folclórica" (?)bem..como continuo aprendendo vou guardar essa. Só espero que UM DIA os envolvidos na última palavra acordem para a realidade, quanto ao 'grampo ilegal' este já está acordado faz muito tempo(êle não dorme) principalmente aos interessados(!).rs

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.