Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Melhor idade

TJ-SP confirma aposentadoria compulsória aos 70 anos

Por 

Apesar de ser uma violência simbólica contra o cidadão o limite de idade de 70 anos para a aposentadoria compulsória é uma realidade inarredável, que para ser modificada dependerá de alteração constitucional. Para os magistrados só há a alternativa de curvar-se aos termos da lei.

Revelando contragosto, esse foi o desfecho do voto do desembargador Marcus Andrade para julgar extinto, sem exame de mérito, recursos apresentados pelos desembargadores Renzo Leonardi e Laércio Laurelli. Os dois completaram 70 anos, idade-limite para a aposentadoria de servidores públicos, inclusive membros do Judiciário e ingressaram com mandado de segurança para permanecerem nos cargos.

Por maioria de votos, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu nesta quarta-feira (7/3) seguir a lei e determinar que todos os membro do Judiciário paulista estão obrigados a se aposentar aos 70 anos. O voto do relator Marcus Andrade foi seguido pela maioria dos 25 integrantes do colegiado. Abriram divergência os desembargadores Palma Bisson e Souza Lima.

Leonardi e Laurelli ingressaram com mandado de segurança para suspender ato do presidente do TJ paulista, Celso Limongi, que os aposentou pela compulsória. Os reclamantes queriam reverter a situação e continuar atuando como desembargadores.

O mesmo caminho havia sido tomado pelo desembargador Benedicto Jorge Farah, que esta semana impetrou mandado de segurança contra sua aposentadoria. Seu colega, Palma Bisson, concedeu liminar para autorizar a permanência de Farah no cargo. Bisson apontou sua intenção de cassar a cautelar a favor do colega aposentado. O Órgão Especial não analisou o caso de Farah.

A liminar de Bisson provocou o protesto até da entidade nacional que defende os interesses dos juízes. “Firme na defesa dos interesses dos juízes do Brasil e coerente com as bandeiras históricas da categoria, a Associação dos Magistrados Brasileiros vem a público manifestar seu repúdio à tentativa de qualquer integrante do Poder Judiciário de permanecer no cargo após ter completado a idade-limite para aposentadoria compulsória dos servidores públicos, que é de 70 anos”, escreve a AMB em nota endereçada a todos os juízes do país.

A entidade tomou conhecimento da liminar por meio do juiz Jayme Martins de Oliveira Neto. O magistrado discordou da manobra e pediu apoio à entidade de classe. A entidade afirmou que acionou sua assessoria jurídica para ingressar com medidas necessárias para tentar reverter a decisão do desembargador do tribunal paulista.

A associação afirma que tem posição consolidada em favor da manutenção da idade limite para aposentadoria compulsória em 70 anos. A AMB entende que a renovação dos cargos é essencial para oxigenar o serviço público, principalmente o Poder Judiciário e o Ministério Público.

Para a AMB, a renovação é condição fundamental para a atualização da jurisprudência e de sua adequação às demandas sociais contemporâneas. A renovação dos quadros também é necessária para viabilizar novas práticas político-administrativas.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 7 de março de 2007, 20h57

Comentários de leitores

16 comentários

Há juízes, políticos e servidores que deveriam ...

Pedro Afonso Gomes (Economista)

Há juízes, políticos e servidores que deveriam se afastar aos 30 anos, por serem danosos ao interesse social ... (claro que sem aposentadoria, pois merecem castigo, não prêmio!) E pode haver situações em que determinado juiz, político e servidor seja de tal modo útil à sociedade que seria bom que ele permanecesse na ativa até os 100 anos ... Portanto, em tese, o que interessa não é a idade biológica, mas a utilidade (ou inutilidade) social. Mas a administração pública deve ser regida pela impessoalidade, de modo que deve haver, sim, um limite objetivo para os juízes estarem na ativa. A sociedade pode perder, em um caso ou outro? Sim, é claro. Mas de modo geral, ganha o conjunto da população com essa renovação? SIm! Porque, afinal, ninguém é eterno, nem insubstituível, e quando aquele venerando e sábio desembargador de 100 anos falecer, vai ter que ser substituído (quem sabe por um jovem de 85 anos), então porque não dar a esse dedicado servidor público o merecido descanso nos últimos anos de vida, ao invés de condená-lo a ficar manuseando autos e tendo que freqüentar modorrentas sessões de julgamento, com freqüência ouvindo coisas extraordinariamente medíocres?

AMB teve papel republicano. Ruim para o TJ que ...

Armando do Prado (Professor)

AMB teve papel republicano. Ruim para o TJ que teve que cumprir a lei, o que deveria ter acontecido sem delongas desde o início. Para a "oxigenação" e oportunidade aos mais jovens. O contrário disso deve ser reservado para museus.

Parabéns ao TJ, por fazer cumprir o que a nossa...

Pinguim (Outro)

Parabéns ao TJ, por fazer cumprir o que a nossa Carta Magna dispõe, o que é imprescindível para (como a AMB diz) "oxigenação" no Judiciário e no MP.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/03/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.