Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atividade restrita

Procuração só pode ser assinada por advogado, afirma TST

Procuração somente pode ser assinada por advogado credenciado nos autos e não por um representante do empregador que não é advogado. O entendimento é da Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 do Tribunal Superior do Trabalho. Os ministros negaram recurso apresentado pelo banco Santander, que pretendia dar validade a um substabelecimento assinado por pessoa não credenciada. Segundo o relator do processo, ministro Carlos Alberto Reis de Paula, “se o substabelecente não é advogado, não pode substabelecer poderes da cláusula ad judicia”.

O conflito teve origem na reclamação trabalhista que resultou na penhora de bens pela Vara do Trabalho de Bebedouro (SP) — no caso, um carro do devedor, financiado pelo banco Banespa. O banco pediu a desconstituição da penhora, já que o bem estava alienado, mas o pedido foi negado pela primeira instância e pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas). O TRT esclareceu que a alienação não impede a penhora porque, à medida que o bem vai sendo pago, o valor é liberado. Passa a fazer parte do patrimônio do devedor.

O banco recorreu ao TST. Insistiu no pedido de desconstituição da penhora, porém apresentou substabelecimento emitido por uma pessoa que não era advogada. O seguimento ao processo foi negado. Motivo: a pessoa que assinou a petição não tinha poderes para tanto. O banco apelou para a SDI-1. Apontou ofensa à Súmula 395 do TST.

A SDI-1 manteve a decisão da Turma. O ministro Carlos Alberto observou que a Súmula apenas define que “são válidos os atos do substabelecido ainda que não haja no mandato poderes expressos para substabelecer”. Esclareceu, ainda, que o artigo 1º da Lei 8.906/94 prevê que a postulação a qualquer órgão do Poder Judiciário constitui atividade privativa da advocacia.

E-ED-AIRR 997/2004-058-15-40.0

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2007, 11h15

Comentários de leitores

3 comentários

O Santader, de acordo com o texto, insistiu em ...

Alexandre Lopes (Advogado Autônomo - Criminal)

O Santader, de acordo com o texto, insistiu em validar um documento que vai contra a legislação em vigor, não se trata de "burocraciazinha" e sim, respeito a legislação. O Banco com o seu poderio financeiro não tem o seu departamento jurídico?

Excesso de formalismo do Direito pátrio. A leg...

Walter A. Bernegozzi Junior (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Excesso de formalismo do Direito pátrio. A legislação deveria obrigar intimar o advogado para juntar procuração, em qualquer instância. Não é razoável, nem lógico, e tampouco há bom senso em permitir que uma falha absolutamente sanável prejudique o direito do jurisdicionado de ver analisado o seu recurso. O que nos é mais caro? A efetividade da tutela jurisdicional e a pacificação dos conflitos sociais ou essa burocraciaZINHA?

O banquinho em questão necessita urgentemente c...

Marcos Umberto Canuto (Advogado Autônomo)

O banquinho em questão necessita urgentemente contratar um ADVOGADO que estude.

Comentários encerrados em 12/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.