Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Preto no branco

Suprema Corte dos EUA considera racista o sistema de cotas

Por 

A busca de um objetivo nobre, como a integração racial, não autoriza uma escola a adotar medidas discriminatórias, com base na raça, para atingí-lo. Com este entendimento, a Suprema Corte dos Estados Unidos dediciu, nesta quinta-feira (28/6), que as escolas públicas não devem mais fazer uso dos “programas de ação afirmativa”, como o sistema de cotas para alunos pertencentes a minorias étnicas.

A corte julgou ação de pais de alunos contra escolas dos estados de Washington e Kentucky que tentavam, através de cotas de vagas para minorias, assegurar a integração racial nos estabelecimentos públicos de ensino. A decisão contra as cotas foi tomada em votação apertada, de cinco votos contra quatro. As informações são do The New York Times.

Os pais de alunos que processaram as escolas, com apoio da administração Bush, fundamentaram sua posição em decisão da Suprema Corte, de 2003, que desafiou a chamada “preferência racial” nas escolas. As escolas públicas de 400 dos 15 mil distritos americanos aguardavam a decisão judicial de ontem para saber se terão ou não de fazer a "de-segregação", ou seja, se deveriam matricular seus alunos sem levar em conta o fator racial.

Em Seattle o critério racial impediu 300 adolescentes (200 brancos e cem negros, latinos ou asiáticos) de ingressar em escolas de sua preferência, que tinham mais candidatos do que vagas. Em Louisville, um menino não pôde entrar no maternal mais próximo de sua casa, onde havia vagas, mas a cota de brancos já tinha sido ultrapassada.

O The New York Times considerou a votação tão importante que colocou em seu site na internet a gravação dos votos dos juízes da Suprema Corte (clique aqui para ouvir).

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de junho de 2007, 13h02

Comentários de leitores

17 comentários

Aqui é o Estado que quer estimular o rascismo...

Pietro Minucci (Engenheiro)

Aqui é o Estado que quer estimular o rascismo...

Nos EE.UU. o povo pode ser racista, o Estado é ...

A.G. Moreira (Consultor)

Nos EE.UU. o povo pode ser racista, o Estado é que não !!! Aqui, o povo ( de côr branca ) não é racista, mas o Estado, insiste, em estimular este sentimento odioso no cidadão, na medida, em que, arbitrária e injustamente, tira de uns para dar para outros !!!

Nada como um Pais de primeiro mundo.

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Nada como um Pais de primeiro mundo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.