Consultor Jurídico

Casamento gay

Governo espanhol diz que lei de casamento gay não é retroativa

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo na Espanha, em que um dos parceiros morreu antes que a lei do matrimônio gay entrasse em vigor, não dão direito a pensão, segundo o Instituto Nacional de Seguridade Social do governo espanhol. Em 2005, a Espanha aprovou a lei que permite o casamento legal entre pessoas do mesmo sexo. A informação é do jornal El País.

Pelo menos em três casos, viúvos ganharam na justiça o direito de receber pensão. Mas, o governo recorreu. Apesar da lei, o entendimento do Estado é que para esta situação não há ordenamento jurídico que permite ceder o direito sem antes uma reforma legal.

Um dos casos é o de Rosana Hernández que viveu 10 anos com sua parceira, uma transexual. Em 2002, a companheira de Rosana morreu por conta de um câncer. Com a lei, Rosana entrou com o pedido de pensão de viuvez em 2005. O Instituto de Seguridade Social negou o pedido por considerar que ela não teria sido cônjuge da falecida. A entidade também entende que a lei não é retroativa.

No entanto, o tribunal número 3 de Palma de Mallorca afirmou que enquanto os casais heterossexuais podem optar em casar ou não, com elas ocorreu o contrário: “queriam, mas não podiam”. A sentença acrescenta que a lei do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo “obriga uma mudança fundamental na regulamentação da família”. A lei espanhola do divórcio de 1981 amplia a pensão para aqueles que não puderam casar por impedimento da legislação vigente.

“Quando se aprovou a norma pedimos, que tivessem em conta a situação das pessoas que haviam morrido e que não puderam se casar”, comentou Beatriz Gimeno, presidente da Federação Estatal de Lésbicas, Gay e Transexuais da Espanha.

Família brasileira

A legislação brasileira não prevê a possibilidade de união de pessoas do mesmo sexo. Em 1995, a então deputada Marta Suplicy (PT-SP) apresentou o projeto de lei nº 1.151, que trata do assunto. O debate da questão, no entanto, não prosperou e a proposta está engavetada no Congresso.

A Justiça, por seu lado, tem reconhecido direitos aos parceiros do mesmo sexo em união estável, em casos de herança de previdência social e em adoção de filhos.

No ano passado, a juíza Mariângela Meyer Pires Faleiro, da 5ª Vara Cível de Belo Horizonte, determinou, que o INSS pague pensão ao companheiro de um ex-servidor público, no valor integral dos vencimentos que o ex-servidor recebia quando morreu. A juíza sustenta que “a Justiça não pode seguir dando respostas mortas a perguntas vivas”. Para a juíza, não reconhecer a união homoafetiva seria fingir-se de morta.

O Superior Tribunal de Justiça reconheceu o direito de pensão previdenciária por morte de companheiro homossexual pela primeira vez em dezembro de 2005. Os ministros classificaram como discriminatório o argumento de não haver previsão legal para a hipótese e deram a pensão por morte para o companheiro que teve uma união estável comprovada por 18 anos.

Em São Paulo, o juiz Guilherme de Macedo Soares, da 3ª Vara da Família e das Sucessões do Jabaquara, acolheu Ação Declaratória de Reconhecimento de União Estável ajuizada por um casal de mulheres. Elas vivem juntas há oito anos e entraram com o pedido para que pudessem ser reconhecidas como um casal perante o plano de saúde, o INSS e a Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo.

No caso da autorização para doação de órgãos, o juiz federal Otávio Henrique Martins Port, da 9ª Vara Federal Cível de São Paulo, lembrou também que várias decisões judiciais reconhecem que o homossexual pode receber pensão por morte do companheiro e entendeu que não há diferença entre a situação previdenciária e da autorização para doação de órgãos.

A união estável de pessoas do mesmo sexo é legal. Mesmo não estando prevista em lei. Ao julgar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade em fevereiro deste ano, o ministro Celso de Mello afirmou que a união homossexual deve ser reconhecida como uma entidade familiar e não apenas como “sociedade de fato”. A manifestação foi pioneira no âmbito do Supremo Tribunal Federal e indicou que a discussão sobre o tema deve ser deslocada do campo do Direito das Obrigações para o campo do Direito de Família.

A opinião do ministro foi explicitada no exame de uma ação proposta pela Associação Parada do Orgulho Gay, que contestou a definição legal de união estável: “entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família” (artigo 1.723 do Código Civil).

Em sua decisão, o ministro cita a desembargadora gaúcha Maria Berenice Dias, que ressalta a importância do Judiciário como agente de transformação social: “Ao menos até que o legislador regulamente as uniões homoafetivas — como já fez a maioria dos países do mundo civilizado — incumbe ao Judiciário emprestar-lhes visibilidade e assegurar-lhes os mesmos direitos que merecem as demais relações afetivas. Essa é a missão fundamental da jurisprudência, que necessita desempenhar seu papel de agente transformador dos estagnados conceitos da sociedade.”

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2007, 13h47

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.