Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Férias remuneradas

Promotor obtém licença remunerada para estudar mas não vai à aula

Por 

O promotor criminal Marcelo Mendroni, muito conhecido por suas empreitadas contra o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) e a Igreja evangélica Renascer em Cristo, obteve licença remunerada e viajou à Itália para fazer um curso mas não conseguiu provar que realmente fez o curso. Em outubro, o Conselho Superior do Ministério Público rejeitou o relatório que o procurador apresentou. A Corregedoria-Geral e a Procuradoria-Geral do MP estão investigando o caso.

Mendroni ficou afastado de suas funções — recebendo pouco mais de R$ 21 mil de salário — por mais de seis meses. Neste período deveria estar fazendo o curso de pós-doutorado na Universidade de Bologna, na Itália. No relatório que apresentou aos procuradores contou que participou como ouvinte das aulas do curso. A história, mal contada, não convenceu. Este é o primeiro caso em que um relatório sobre curso no exterior é rejeitado pelo Conselho Superior.

No dia 18 de abril de 2006, Mendroni participou da reunião do Conselho. O promotor falou sobre a pretensão de se afastar da carreira depois de, segundo ele, ter recebido um convite da Universidade de Bologna para estudar o tema “Valoração da Prova no Processo Penal, com ênfase nos crimes econômicos”. Aos conselheiros, pediu autorização para se afastar por 14 meses e que, para isso, pretendia usar seus períodos de férias.

Para convencer o Conselho das vantagens dos estudos que pretendia fazer no exterior, lembrou dos tempos que voltou do curso de pós-gradução em Madrid, na Espanha, e atendeu a todos os convites para disseminar o aprendizado. Contou que coordenou com a ESMP(Escola Superior do Ministério Público) seminário especializado sobre crime organizado, publicou artigos e três livros com tudo o que aprendeu enquanto se afastou da sua função, entre novembro de 1995 e outubro de 1997. Ao final, se comprometeu a compartilhar com o MP os ensinamentos do novo curso.

Na reunião seguinte, os membros do Conselho Superior aprovaram a licença de seis meses.

Em agosto de 2007, Mendroni apresentou o relatório sobre o período de afastamento. Os conselheiros, seguindo voto do relator Daniel Fink, converteram o julgamento em diligência. Solicitaram à administração do órgão informações para saber se Mendroni pediu férias ou licenças antes ou depois do período que ficou afastado para o curso na Itália. E também a data em que reassumiu as suas funções no Ministério Público.

Na reunião extraordinária do dia 16 de outubro, o Conselho não aprovou o relatório. Determinou que a Corregedoria e a Procuradoria investigassem o caso.

Por telefone, a Consultor Jurídico procurou Mendroni em seu gabinete e obteve a informação de que ele está de férias. O relator do processo administrativo Daniel Fink não quis comentar o assunto. Segundo ele, a sua opinião já está exposta em seu relatório (que é sigiloso) e não pretende mais falar sobre o caso.

Regras para estudar

Há dois anos, as regras para a concessão de licença para estudar no exterior estão mais rigorosas. Até então apenas o procurador-geral precisava aprovar. Agora, a autorização passa pelo crivo do Conselho Superior do MP.

Trinta dias depois de iniciado o curso, o membro do MP afastado de suas funções deve encaminhar ao procurador-geral documento firmado por autoridade competente da instituição, que comprove sua inscrição ou matrícula, bem como a freqüência regular às atividades.

Todo mês o procurador-geral deve receber um comprovante de freqüência. De seis em seis meses, um relatório sobre os trabalhos que participou e, ao final, um relatório conclusivo, com cópia da dissertação ou tese. As regras para a licença estão previstas no Regimento Interno do MP, no capítulo III.

[Texto alterado em 20/12/2007, para correção de informação]

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 19 de dezembro de 2007, 20h04

Comentários de leitores

40 comentários

Os esclarecimentos do presecutor são reais e me...

Peronas (Delegado de Polícia Estadual)

Os esclarecimentos do presecutor são reais e merecem ser compreendidos a luz de um servidor que esteve e esta a frente de casos que envolvem o jeitinho brasileiro entre outros afins. Não há condenação, já há apuração e será real que o Promotor permaneceu seis meses integrais sem nada fornecer a sua instituição o que fazia ? E mais a propria legislação funcional , seja a da União o do estado garante aos seus membros, justamente para que se aprimorem em seus conhecimentos, pois o estado somente de pouco para ca vem efetuando cursos de aperfeiçoamento mas não em especialização ou pós graduação. Aqueles que acusam devem refletir sobre o acusado e principalmente ter conhecimento de causa sobre o assunto, justamente como mencionou o persecutor. Não se trata de defender o Promotor mas esclarecer o que a lei garante e a própria constituição cidadã instituiu ao MP, mas mesmo assim o Promotor teve que se virar para isso. Por que será que tal informação surgiu agora ? Justamente com a investigação que efetua sem contar outras que já efetuara. Agora creio absurda a menção de que tenha guardado por tempos informações sobre o sr. Maluf. Srs Digo com conhecimento de causa. Justiça seja feita. Enquanto vários são beneficiados e nada se menciona sobre eles, aquele que enfrenta algo e retaliado? Já pensaram sobre isso?

O sr., sr Marcelo Mendroni, o sr. é um fanfarrã...

Rodrigo (Bancário)

O sr., sr Marcelo Mendroni, o sr. é um fanfarrão, viu sr. Marcelo Mendroni. Falando sério, é um absurdo colocar tanto poder nas mãos de uma pessoa dessa. Para mim, ele foi lá na Itália, assistiu uns jogos da "Champions League", do Milan, depois pegou um trem, fez um tour pela Europa, daí, assinou a Globo, assistiu duas aulas de Estudos Sociais no telecurso 2000 e disse à imprensa que foi "aluno ouvinte". Peça para sair Sr. Marcelo Mendroni, desista sr. Marcelo Mendroni. Ass: Capitão Nascimento

Sugestão: Promotor convoque uma coletiva de imp...

Renato (Contabilista)

Sugestão: Promotor convoque uma coletiva de imprensa como já se acostumou a fazer para explicar essa pouca vergonha, que empobrece o ministério publico. Ao invés de ficar famoso por perseguir o Sr. Paulo Maluf e a Igreja Renascer, ficará famoso por cabular aula e ainda ser remunerado com o dinheiro publico. Para quem estava a alguns dias atrás sob os holofotes, com aquele ar arrogante e pretensa preocupação com os fiéis da igreja e com os desvios de dinheiro do Sr. Paulo Maluf, o que dizer agora? A SUA CASA CAIU PROMOTOR!!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.