Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

‘Pressão pastoral’

Igreja Universal é obrigada a devolver carro doado por fiel

A Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a pagar indenização por danos morais e a devolver o carro de uma fiel que, fragilizada com a perda do marido e com o pedido da filha, fez a doação à igreja. A determinação é do juiz Jeová Sardinha de Moraes, da 7ª Vara Cível de Goiânia. Cabe recurso.

Na ação, a autora alegou que sofreu pressão de representantes do templo que freqüentava e sua filha a convenceu a doar o carro com a promessa de receber em dobro. Ao perceber o erro e tentar reaver o veículo, a viúva foi maltratada, agredida fisicamente e exposta à humilhação por integrantes da igreja.

De acordo com a autora, seu marido morreu em janeiro de 2005, fato que causou depressão na sua filha. Fragilizada, a filha começou a freqüentar a Universal, onde passou a ser pressionada a fazer doações exarcebadas à instituição.

Na decisão, o juiz determinou que o veículo lhe fosse restituído imediatamente e que sejam pagos valores referentes a lucros cessantes, depreciação e desgates do carro bem como reparação de R$ 10 mil por danos morais.

Para ele, o que ocorreu com a viúva é conhecido juridicamente como “erro substancial”, que aplicado ao caso, evidencia-se no ato de ela ter imaginado estar vendendo seu veículo quando, na verdade, fez uma doação.

“A igreja agiu através da filha, a qual disse em juízo, com todas as letras que, vencida pela pressão pastoral, convenceu sua mãe a assinar o documento de transferência do veículo (DUT), sob o argumento de que o estava vendendo. Apesar da condição de filha da viúva, a filha não foi contestada por nenhuma outra prova nos autos, aliás, nem mesmo contraditada, em suas declarações, pelos representantes da igreja”, observou o juiz na decisão.

Com relação aos danos morais, Jeová Sardinha entendeu que ficou comprovado, por meio de farta prova testemunhal, que a viúva tentou reaver o veículo com a igreja e, na ocasião, foi extremamente maltratada e agredida. “A potencialidade da ofensa se eleva mais ainda ao concluir que ocorreu no interior de um templo religioso, onde, objetivamente, espera-se reinar a paz espiritual”, finalizou o juiz.

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2007, 0h01

Comentários de leitores

14 comentários

alguem tem que impedir que os inocentes uteis,n...

acs (Advogado Assalariado)

alguem tem que impedir que os inocentes uteis,no mais das vezes analfabetos funcionais,fragilizados emocionalmente sejam espoliados por estelionatarios sob o manto da liberdade religiosa.

Pressão Pastoral Paulo Roberto I www.pauloro...

Paulo Roberto I (Técnico de Informática)

Pressão Pastoral Paulo Roberto I www.paulorobertoprimeiro.com/anticristo.html Uma das técnicas utilizadas por pastores e obreiros da Empresa Universal do Reino de Deus é a do constrangimento e do pseudo-desafio. Por esses processos habilmente ensaiados são conseguidas as muitas ofertas solicitadas num tom de pseudo-agressão. Ou até mesmo em alguns casos agressão física. Os supostos obreiros, na hipótese de alguma reivindicação por parte de pessoa que se sinta lesada, são eles na realidade ²seguranças² utilizados para garantir a integridade do líder principal e agir com truculência para com aquele que ouse sentir-se lesado. São utilizados ainda para criar um clima de ridicularização em torno da pessoa reivindicante a fim de demove-la do intuito de protestar. Uma cena teatral é simulada pelos obreiros em torno da pessoa que se sinta lesada levando-a a um aparente porte de ridículo, o que leva muitas a retroceder. Determinações judiciais que obriguem a Empresa Universal a devolver doações extraídas por meio desse pseudo-desafios encorajarão outras tantas pessoas que tenham se arrependido da oferta oferecida. Exemplo seria as muitas pessoas que deram ofertas vultosas para a compra da TV Record, que segundo informavam os bispos tinha a intenção de divulgar o Reino de DEUS. Com certeza, um grande número de pessoas que cooperaram para a aquisição daquela Emissora, não concordaria com a grade de programação por ela hoje exibida. De entidades sem fins lucrativos, essas empresas que se auto-intitulam Igrejas, ao receberem a concessão para atuar, transformam-se numa máquina de extorsão espiritual. E mais, por não existir a obrigatoriedade de emitirem recibo é possível presenciarmos casos como este. Embora tenha sido comprada com a soma dos valores doados pelos universalistas, na prática, é hoje a TV Record propriedade do Sr. Edir Macedo Bezerra. paulorobertoprimeiro@itelefonica.com.br

E a suprema ironia é que o juiz se chama JEOVÁ!...

Baudelaire (Advogado Autônomo)

E a suprema ironia é que o juiz se chama JEOVÁ! Será que o castigo dos Céus já está chegando?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.