Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Declarações infelizes

Ex-governador deve pagar R$ 100 mil de indenização a juiz

O Superior Tribunal de Justiça manteve a decisão que condenou o ex-governador do Estado do Piauí, Francisco de Assis Morais Souza, conhecido como “Mão Santa”, a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais ao juiz José Alves de Paula. O ex-governador fez vários comentários contra a idoneidade e imparcialidade do juiz.

O ministro Humberto Gomes de Barros julgou infelizes as declarações do ex-governador. Para o ministro, ele poderia ter utilizado recursos processuais para mostrar seu descontentamento. “Não lhe é permitido atingir a imagem, o conceito e a honra de um integrante do Poder Judiciário, colocando em dúvida a imparcialidade do juiz e a credibilidade da justiça para toda a imprensa”, afirmou.

Tudo começou porque o juiz suspendeu, em 1998, propaganda oficial do governo do Piauí. O fato fez com que “Mão Santa”, então governador, proferisse uma série de comentários contra José de Paula, o que, segundo ele, abalou a sua credibilidade. As declarações ganharam repercussão e foram publicadas em diversos jornais.

A defesa tentou, no Tribunal de Justiça do Piauí, anular a decisão de primeiro grau que condenou o ex-governador a pagar a indenização de R$ 100 mil. Alegou que não houve comprovação do dano moral. Argumentou, também, que o valor da condenação ofendia o valor da razoabilidade.

O TJ do Piauí negou o recurso. A defesa apelou, então ao STJ. Sustentou que o acórdão deixou de apreciar questão relativa à falta de explicitação do critério no cálculo de indenização. Afirmou, ainda, que houve ofensa ao artigo 535 do Código de Processo Civil, por falta de fundamentação da sentença quanto ao valor da indenização. Contudo, defendeu que o fato não causou abalo nem dor ao juiz.

Gomes de Barros seguiu decisão de primeiro e segundo graus e negou a apelação. Ele entendeu que não houve ofensa ao artigo 535 do CPC. O ministro declarou que a fixação do valor da indenização pelo TJ não é exagerada nem foge dos parâmetros seguidos pelo STJ.

Segundo o ministro, o dano moral é indiscutível, sendo a prova desnecessária. No caso, basta a comprovação do ato ilícito que atingiu a honra. “A prova do dano moral resulta da simples comprovação do fato de que acarretou a dor, o sofrimento, a lesão aos sentimentos íntimos”, finalizou Gomes de Barros.

REsp 968.019

Revista Consultor Jurídico, 22 de agosto de 2007, 15h38

Comentários de leitores

7 comentários

Lamentável! Dois pesos, Cinco medidas!

ANTONIEL (Estudante de Direito)

Lamentável! Dois pesos, Cinco medidas!

Engraçado, um outro aspecto que ninguém leva em...

Pitico (Advogado Autônomo - Civil)

Engraçado, um outro aspecto que ninguém leva em conta é que essas ofensas tivessem sido proferidas contra um indivíduo comum a indenização não passaria de R$ 3.500,00 como é o costume dos tribunais. entretanto trata-se de um juiz, senhores supremos da verdade e moral, que tem no sofrimento, a lesão aos sentimentos íntimos mais acentuados em razão de seus cargos.

Quem vai pagar essa indenização somo nós mesmo,...

Murassawa (Advogado Autônomo)

Quem vai pagar essa indenização somo nós mesmo, pois, será pago com os vencimentos que o senhor mão santa recebe como ex-governador.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.